sexta-feira, 25 de novembro de 2016

As taxas de demência estão caindo, nos EUA, mesmo com a população envelhecendo


Apesar do receio de que as taxas de demência estavam caminhando para explodir á medida que a população estava se tornando mais velha e mais gorda, e esta mesma população tem apresentado mais diabetes pressão arterial elevada, uma grande pesquisa nacional representativa encontrou o inverso. A demência está realmente em declínio. E mesmo quando as pessoas desenvolvem demência, ela está ocorrendo em idades cada vez mais avançadas. 
Estudos anteriores encontraram a mesma tendência, mas envolveram populações muito menores e menos diversificadas, como a população de maioria branca de Framingham, Mass., e moradores de algumas áreas na Inglaterra e no País de Gales. 
O novo estudo descobriu que a taxa de demência em americanos de 65 anos caiu de 24 por cento em 200, para 8,8 por cento em 2012. Essa tendência é "estatisticamente significativa e impressionante", disse Samuel Preston, demógrafo do Universidade da Pensilvânia, o qual não estava associado com o estudo. 
Em 2000, as pessoas receberam um diagnóstico de demência com uma idade média de 80,7 em 2012, a idade média foi 82,4. 
"A taxa de demência não é imutável", disse o Dr. Richard Hodes, diretor do Instituto Nacional sobre Envelhecimento. "Ela pode mudar." 
O que "é uma notícia muito boa", disse John Haaga, diretor de divisão do Instituto de Pesquisa Comportamental e Social. Isso significa, segundo ele, que "cerca de um milhão e meio das pessoas com idade de 65 ou mais velhos que não têm demência agora a teriam se a taxa observada em 2000 tivesse se mantido." 
Keith Fargo, diretor de programas científicos e de divulgação na Associação de Alzheimer, disse que o grupo tinha sido encorajado por algumas das pesquisas anteriores, mostrando um declínio, mas também tinha se sentido"um pouco nervoso" sobre tirar conclusões, porque as populações dos estudos anteriores eram bastante homogêneas. 
Agora, ele disse sobre os novos dados, "o que temos é um estudo nacional representativo. É uma notícia maravilhosa." 
Estima-se que quatro milhões a cinco milhões de americanos desenvolvem demência em cada ano. Continua a ser a doença mais cara da América - um estudo financiado pelo Instituto Nacional sobre Envelhecimento que em 2010 o custo foi de até US $ 215 bilhões por ano para cuidar de pacientes com demência, superando as doenças cardíacas ($ 102.000.000.000) e câncer ($ 77.000.000.000).
O estudo, publicado on-line segunda-feira (14/11/2016) pela revista JAMA Internal Medicine, incluiu 21.000 americanos acima de 65 anos em todos os níveis de raças, educação e renda, que participam do Estudo de Saúde e Aposentadoria, e que examina regularmente as pessoas e os acompanha à medida que envelhecem. O Instituto Nacional sobre Envelhecimento financiou o trabalho, mas não estava envolvido com a coleta de dados, análise ou interpretação. 
Para avaliar a demência, os participantes foram convidados, entre outras coisas, para recordar 10 nomes imediatamente e depois de passado algum tempo, para subtrair em sequência de sete de 100, e depois contar 20 deles. O teste foi baseado em extensa pesquisa indicando que isto era uma boa medida de avaliação das habilidades da memória e da forma de pensar. 
Os participantes também foram questionados sobre seus níveis de educação, renda e saúde. De certa forma, o declínio da demência pode parecer inesperado. 
Isso ocorreu apesar de um aumento da diabetes - a prevalência de diabetes entre os americanos mais velhos subiu para 21 por cento em 2012, contra 9 por cento em 1990. Ela começou a cair só muito recentemente. E, segundo o estudo, o diabetes aumenta o risco de demência em 39 por cento. 
Mais pessoas idosas nos dias de hoje também têm fatores de risco cardiovascular - níveis elevados de pressão arterial, glicemia e colesterol - o que aumenta o risco de demência. No entanto, um número crescente de pessoas está tomando medicamentos para essas condições, melhorando o controle, e talvez por isso esses fatores de risco estejam desempenhando um papel importante no declínio verificado de demência. 
Além disso, há a questão da educação. Em média, os americanos mais velhos em 2012 tinham mais um ano de escolaridade do que os americanos mais velhos em 2000. E anos de escolaridade foram associados com uma diminuição do risco de demência neste estudo, como em muitos outros. As conclusões sobre a obesidade foram especialmente intrigantes. Em comparação com pessoas de peso normal, as pessoas com sobrepeso e obesos tinham um risco 30 por cento menor de demência, concluiu o estudo. Pessoas com baixo peso tiveram um risco 2,5 vezes maior. No entanto, a imagem sobre a obesidade é confusa porque outros estudos descobriram que a obesidade na meia idade aumenta o risco de demência na velhice. 
Ainda não está claro exatamente porque a educação iria reduzir o risco de demência. Existe a hipótese de reserva cognitiva: que as mudanças de educação desenvolvem cérebros em uma boa forma, tornando-os mais resistentes à demência, e que as pessoas com mais educação têm cérebros que são mais capazes de compensar os danos da demência. 
Mas a educação também está ligada a mais riqueza. As pessoas com mais educação muitas vezes vivem em ambientes que diferem daqueles de pessoas que têm menos escolaridade, e eles tendem a ter uma saúde melhor sobre tudo. Eles também são menos propensos a fumar. 
Quanto aos negros americanos, o risco de demência foi maior, mas algumas possíveis razões - menos educação, menos riqueza, mais fatores de risco cardiovascular - não explicam totalmente a diferença. Uma possibilidade é que eles receberam uma pior qualidade de educação, em cada ano, o que ofereceria menos proteção contra a demência, disse o principal autor do estudo, o Dr. Kenneth Langa.
Em resumo, muito do que está acontecendo com as taxas de demência desafia a explicação, disse o Dr. Langa, um professor de medicina na Universidade de Michigan, em Ann Arbor, que também trabalha no sistema de cuidados de saúde do Veterans Affairs, por lá. 
O Dr. Denis Evans, professor de medicina no Centro Médico da Universidade Rush, em Chicago, pediu cautela em aceitar a conclusão de que as taxas de demência estavam em declínio e, se assim está ocorrendo, recomenda cuidado em aceitar as explicações possíveis. Embora ele não tenha nada além de elogios para a competência dos pesquisadores, ele observou que tais estudos eram extremamente difíceis de fazer. Decidir se um entrevistado é demente pode, inadvertidamente, ser facilmente enviesada, disse ele. 
"É muito complexo", disse o Dr. Evans. 
Mas o declínio é consistente com o que parece ser uma tendência de longo prazo, apesar do fracasso dos pesquisadores para encontrar alguma maneira eficaz para os indivíduos se protegerem da doença de Alzheimer, a forma mais comum de demência. Dr. Langa estima que, em comparação com a taxa no início de 1990, houve uma redução de 25 a 30 por cento nas taxas de demência entre os americanos mais velhos. 
Quanto ao futuro, é difícil de prever, disse o Dr. Langa. 
Mesmo com a menor prevalência de demência, haverá pessoas muito mais velhas nos Estados Unidos, mais nas próximas décadas, especialmente pessoas com 85 anos e mais velhos, que estarão em maior risco. Por essa razão, o número total de pessoas com demência deve subir, apesar de não tanto como tinha sido previsto. 
Existem forças que atuam contra a continuação da descida das taxas de demência. Mais pessoas que atingem a idade de 65 anos e acima, nas próximas décadas terão sido obesos na meia-idade, possivelmente aumentando o risco de demência. Além disso, a tendência de mais anos de escolaridade parece ter estabilizado, de modo que o efeito da educação pode não ser tanto um fator de peso. 
Mas os pesquisadores continuam otimistas. 
O estudo encontrou associações observou o Dr. Hodes. "Agora, o desafio real", disse ele, "é ver se podemos gerar evidências do que causa o quê."

Fonte: New York Times - Health

Meu canal de slides