sexta-feira, 25 de novembro de 2016

As taxas de demência estão caindo, nos EUA, mesmo com a população envelhecendo


Apesar do receio de que as taxas de demência estavam caminhando para explodir á medida que a população estava se tornando mais velha e mais gorda, e esta mesma população tem apresentado mais diabetes pressão arterial elevada, uma grande pesquisa nacional representativa encontrou o inverso. A demência está realmente em declínio. E mesmo quando as pessoas desenvolvem demência, ela está ocorrendo em idades cada vez mais avançadas. 
Estudos anteriores encontraram a mesma tendência, mas envolveram populações muito menores e menos diversificadas, como a população de maioria branca de Framingham, Mass., e moradores de algumas áreas na Inglaterra e no País de Gales. 
O novo estudo descobriu que a taxa de demência em americanos de 65 anos caiu de 24 por cento em 200, para 8,8 por cento em 2012. Essa tendência é "estatisticamente significativa e impressionante", disse Samuel Preston, demógrafo do Universidade da Pensilvânia, o qual não estava associado com o estudo. 
Em 2000, as pessoas receberam um diagnóstico de demência com uma idade média de 80,7 em 2012, a idade média foi 82,4. 
"A taxa de demência não é imutável", disse o Dr. Richard Hodes, diretor do Instituto Nacional sobre Envelhecimento. "Ela pode mudar." 
O que "é uma notícia muito boa", disse John Haaga, diretor de divisão do Instituto de Pesquisa Comportamental e Social. Isso significa, segundo ele, que "cerca de um milhão e meio das pessoas com idade de 65 ou mais velhos que não têm demência agora a teriam se a taxa observada em 2000 tivesse se mantido." 
Keith Fargo, diretor de programas científicos e de divulgação na Associação de Alzheimer, disse que o grupo tinha sido encorajado por algumas das pesquisas anteriores, mostrando um declínio, mas também tinha se sentido"um pouco nervoso" sobre tirar conclusões, porque as populações dos estudos anteriores eram bastante homogêneas. 
Agora, ele disse sobre os novos dados, "o que temos é um estudo nacional representativo. É uma notícia maravilhosa." 
Estima-se que quatro milhões a cinco milhões de americanos desenvolvem demência em cada ano. Continua a ser a doença mais cara da América - um estudo financiado pelo Instituto Nacional sobre Envelhecimento que em 2010 o custo foi de até US $ 215 bilhões por ano para cuidar de pacientes com demência, superando as doenças cardíacas ($ 102.000.000.000) e câncer ($ 77.000.000.000).
O estudo, publicado on-line segunda-feira (14/11/2016) pela revista JAMA Internal Medicine, incluiu 21.000 americanos acima de 65 anos em todos os níveis de raças, educação e renda, que participam do Estudo de Saúde e Aposentadoria, e que examina regularmente as pessoas e os acompanha à medida que envelhecem. O Instituto Nacional sobre Envelhecimento financiou o trabalho, mas não estava envolvido com a coleta de dados, análise ou interpretação. 
Para avaliar a demência, os participantes foram convidados, entre outras coisas, para recordar 10 nomes imediatamente e depois de passado algum tempo, para subtrair em sequência de sete de 100, e depois contar 20 deles. O teste foi baseado em extensa pesquisa indicando que isto era uma boa medida de avaliação das habilidades da memória e da forma de pensar. 
Os participantes também foram questionados sobre seus níveis de educação, renda e saúde. De certa forma, o declínio da demência pode parecer inesperado. 
Isso ocorreu apesar de um aumento da diabetes - a prevalência de diabetes entre os americanos mais velhos subiu para 21 por cento em 2012, contra 9 por cento em 1990. Ela começou a cair só muito recentemente. E, segundo o estudo, o diabetes aumenta o risco de demência em 39 por cento. 
Mais pessoas idosas nos dias de hoje também têm fatores de risco cardiovascular - níveis elevados de pressão arterial, glicemia e colesterol - o que aumenta o risco de demência. No entanto, um número crescente de pessoas está tomando medicamentos para essas condições, melhorando o controle, e talvez por isso esses fatores de risco estejam desempenhando um papel importante no declínio verificado de demência. 
Além disso, há a questão da educação. Em média, os americanos mais velhos em 2012 tinham mais um ano de escolaridade do que os americanos mais velhos em 2000. E anos de escolaridade foram associados com uma diminuição do risco de demência neste estudo, como em muitos outros. As conclusões sobre a obesidade foram especialmente intrigantes. Em comparação com pessoas de peso normal, as pessoas com sobrepeso e obesos tinham um risco 30 por cento menor de demência, concluiu o estudo. Pessoas com baixo peso tiveram um risco 2,5 vezes maior. No entanto, a imagem sobre a obesidade é confusa porque outros estudos descobriram que a obesidade na meia idade aumenta o risco de demência na velhice. 
Ainda não está claro exatamente porque a educação iria reduzir o risco de demência. Existe a hipótese de reserva cognitiva: que as mudanças de educação desenvolvem cérebros em uma boa forma, tornando-os mais resistentes à demência, e que as pessoas com mais educação têm cérebros que são mais capazes de compensar os danos da demência. 
Mas a educação também está ligada a mais riqueza. As pessoas com mais educação muitas vezes vivem em ambientes que diferem daqueles de pessoas que têm menos escolaridade, e eles tendem a ter uma saúde melhor sobre tudo. Eles também são menos propensos a fumar. 
Quanto aos negros americanos, o risco de demência foi maior, mas algumas possíveis razões - menos educação, menos riqueza, mais fatores de risco cardiovascular - não explicam totalmente a diferença. Uma possibilidade é que eles receberam uma pior qualidade de educação, em cada ano, o que ofereceria menos proteção contra a demência, disse o principal autor do estudo, o Dr. Kenneth Langa.
Em resumo, muito do que está acontecendo com as taxas de demência desafia a explicação, disse o Dr. Langa, um professor de medicina na Universidade de Michigan, em Ann Arbor, que também trabalha no sistema de cuidados de saúde do Veterans Affairs, por lá. 
O Dr. Denis Evans, professor de medicina no Centro Médico da Universidade Rush, em Chicago, pediu cautela em aceitar a conclusão de que as taxas de demência estavam em declínio e, se assim está ocorrendo, recomenda cuidado em aceitar as explicações possíveis. Embora ele não tenha nada além de elogios para a competência dos pesquisadores, ele observou que tais estudos eram extremamente difíceis de fazer. Decidir se um entrevistado é demente pode, inadvertidamente, ser facilmente enviesada, disse ele. 
"É muito complexo", disse o Dr. Evans. 
Mas o declínio é consistente com o que parece ser uma tendência de longo prazo, apesar do fracasso dos pesquisadores para encontrar alguma maneira eficaz para os indivíduos se protegerem da doença de Alzheimer, a forma mais comum de demência. Dr. Langa estima que, em comparação com a taxa no início de 1990, houve uma redução de 25 a 30 por cento nas taxas de demência entre os americanos mais velhos. 
Quanto ao futuro, é difícil de prever, disse o Dr. Langa. 
Mesmo com a menor prevalência de demência, haverá pessoas muito mais velhas nos Estados Unidos, mais nas próximas décadas, especialmente pessoas com 85 anos e mais velhos, que estarão em maior risco. Por essa razão, o número total de pessoas com demência deve subir, apesar de não tanto como tinha sido previsto. 
Existem forças que atuam contra a continuação da descida das taxas de demência. Mais pessoas que atingem a idade de 65 anos e acima, nas próximas décadas terão sido obesos na meia-idade, possivelmente aumentando o risco de demência. Além disso, a tendência de mais anos de escolaridade parece ter estabilizado, de modo que o efeito da educação pode não ser tanto um fator de peso. 
Mas os pesquisadores continuam otimistas. 
O estudo encontrou associações observou o Dr. Hodes. "Agora, o desafio real", disse ele, "é ver se podemos gerar evidências do que causa o quê."

Fonte: New York Times - Health

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Imagens do Brasil - São Luís - Maranhão


São Luís é um município brasileiro e a capital do estado do Maranhão. É a única cidade brasileira fundada por franceses, no dia 8 de setembro de 1612, tendo sido posteriormente invadida por holandeses. Em seguida, foi colonizada pelos portugueses. Localiza-se na ilha de Upaon-Açu, no Atlântico Sul, entre as baías de São Marcos e São José de Ribamar.
A capital maranhense tem um desenvolvido setor industrial por conta de grandes corporações e empresas de diversas áreas que se instalaram na cidade pela sua privilegiada posição geográfica entre as regiões Norte e Nordeste do país, seu litoral estrategicamente localizado bem mais próximo de grandes centros importadores de produtos brasileiros como Europa e Estados Unidos, o que permite economia de combustíveis e redução no prazo de entrega de mercadorias provenientes do Brasil pelo Porto de Itaqui que é o segundo mais profundo do mundo e um dos mais movimentados, sofisticados e bem estruturados para o comércio exterior no Brasil.
A cidade está ligada ao interior do estado por meio de uma linha férrea e também aos estados vizinhos do Pará, Tocantins e Piauí o que facilita e barateia a escoação agrícola vinda do interior do país para o porto de Itaqui, sendo que, com a conclusão da Ferrovia Norte-Sul, a cidade vai estar interligada a todas as regiões brasileiras por ferrovias. Por rodovia, a ilha já é servida pela BR-135. que a liga ao continente e, por ar, conta com o Aeroporto Internacional Marechal Cunha Machado, com capacidade de atender mais de um milhão de passageiros por ano e que já opera com demanda quase saturada pelo movimento intenso de passageiros não somente da cidade de São Luís, mas também por servir como porta de entrada por ser o maior e mais movimentado aeroporto próximo ao Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses.
O nome da cidade é uma homenagem dada pelos franceses ao rei da França Luís XIII, conforme registrou o cronista da França Equinocial o Capuchinho Claude D'Abbeville. Posteriormente o nome passou a referenciar Luís IX, chamado de "São Luís Rei de França". O rei Luís IX ficou popular pois morreu numa Cruzada na Idade Média, sendo posteriormente canonizado pela Igreja.
A capital maranhense, lembrada hoje pelo enorme casario de arquitetura portuguesa, no início abrigava apenas ocas de madeira e palha e uma paisagem quase intocada. Aqui, ficava a aldeia de Upaon-Açu, onde os índios tupinambás - entre 200 e 600, segundo cronistas franceses - viviam da agricultura de subsistência (pequenas plantações de mandioca e batata-doce) e das ofertas da natureza, caçando, pescando e coletando frutas. Nos arredores da atual cidade de São Luís, habitava a etnia indígena dos potiguaras.

Fonte: Wikipedia

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Imagens do Brasil - Crato - Ceará



O Crato é um município brasileiro do interior do estado do Ceará. A cidade situa-se no Cariri cearense, conhecido por muitos como o "Oásis do Sertão" pelas características climáticas mais úmidas e favoráveis à agropecuária. Faz divisa com o estado de Pernambuco, constituindo também um entroncamento rodoviário que a interliga ao Piauí, Paraíba e Pernambuco, além da capital do Ceará, Fortaleza. Localiza-se no sopé da Chapada do Araripe no extremo-sul do estado e na Microrregião do Cariri, integrante da Região Metropolitana do Cariri.
Constitui-se numa cidade com expressiva importância regional. Destaca-se na tradicional função de comercialização de produtos rurais, provenientes do desenvolvimento da agricultura no sopé dos vales irrigados da região do Cariri. Nesta área, destaca-se a famosa Exposição Agropecuária do Crato (Expocrato), feira agropecuária que inclui também shows com bandas e cantores famosos e atrai milhares de visitantes à cidade todo mês de julho.
É uma das cidades mais importantes e antigas do Ceará.
O topônimo Crato vem do latim curatus, que significa padre ou designação de lugares com condições de tornar-se paróquia.
História
As terras as margens do rio Jaguaribe-Mirim (e seus afluentes) e da Chapada do Araripe eram habitadas por diversas etnias indígenas, dentre elas os Kariri, Aquijiró, Guariú, Xocó, Quipapaú e tantas outras, antes da chegada das entradas e/ou missões religiosas dos portugueses, italianos, baianos, paraibanos e sergipanos.
Entradas dos Sertões de Dentro e a Missão Capuchinha
Com a expulsão dos neerlandeses do nordeste brasileiro, os portugueses e outros brasileiros puderam adentrar e explorar melhor a terra do Siará Grande.
Acredita-se que primeira penetração no território do Cariri aconteceu durante século XVII, com a bandeira dos irmãos Lobato Lira. Desta bandeira, participaram dois religiosos: um padre secular e um frade capuchinho, que ganharam a confiança dos índios cariris e conseguiram aldeá-los. Estes exploradores subiram o leito do Jaguaribe-Mirim e instalaram nos arredores da cachoeira dos Cariris (cachoeira de Missão Velha).
Tempos depois, o frade capuchinho Carlos Maria de Ferrara organizou, às margens do rio Itaitera (água que corre entre pedras), o maior e mais importante aldeamento de silvícolas na região. Este recebeu o nome de "Missão do Miranda", em homenagem a um dos chefes da tribo batizado com esse nome. Mais tarde, também aparecem as denominações "Miranda" e "Cariris Novos". A Missão do Miranda, sob a administração dos capuchinhos, prosperou, devido à fertilidade do solo e abundância de água, que possibilitaram o cultivo da cana-de-açúcar, mandioca e cereais. Manuel Carneiro da Cunha e Manuel Rodrigues Ariosto requereram, através da lei de sesmaria, a posse das terras adjacentes ao Rio Salgado, fato que culminou na elevação da missão a povoação.

Fonte: Wikipedia

Meu canal de slides