sábado, 15 de outubro de 2016

Campanha Mundial de AVC - 29 de Outubro - Dia Mundial do AVC


Eu sou mulher: O AVC me afeta
A Organização Mundial de AVC (World Stroke Organization - WSO), seus membros e parceiros em todo o mundo lançou uma campanha global sobre as mulheres e o Acidente Vascular Cerebral no Dia Mundial do AVC 2014 - 29 outubro 2014. Contamos com seu apoio contínuo para fazer desta outra campanha de sucesso. Por favor, visite o site regularmente e entre em contato com o membro da WSO responsável pela organização local - pergunte como você pode ajudar. Para obter uma lista dos membros organizações membros do WSO, visite ...
Por que as mulheres e o AVC? Aqui estão alguns fatos rápidos:
·    As mulheres tem uma mortalidade por AVC maior do que os homens. Seis em cada 10 mortes por AVC ocorrem em mulheres, em grande parte devido ao AVC que ocorre na idade mais avançada quando os AVCs são mais perigosos.
·   Muitos dos principais fatores de risco para o AVC ocorrem mais frequentemente em mulheres ou são específicos de mulheres. Mulheres com mais de 85 anos têm as maiores taxas de AVC.
·  Mulheres tem muitos fatores de risco. Alguns fatores de risco como Hipertensão, Fibrilação Atrial, Diabetes, Enxaqueca com aura visual e Depressão ocorrem mais frequentemente em mulheres e outros fatores de risco de AVC são específicos de mulheres, como a gravidez, pré-eclâmpsia, o uso de pílulas anticoncepcionais (especialmente em mulheres hipertensas), reposição hormonal após a menopausa, alterações hormonais e diabetes gestacional. Por isso, 1 em cada 5 mulheres está sob risco de AVC, ao contrário de 1 em cada 6 homens.
·   Isolamento e solidão. As mulheres são mais propensas a viver sozinhas e viúvas antes do AVC; elas são mais frequentemente institucionalizadas após o AVC e têm pior recuperação pós AVC do que os homens. Elas tem um declínio cognitivo mais grave, uma maior probabilidade de institucionalização, e um maior risco de depressão pós-AVC.
· Apesar das mulheres responderem bem ao tratamento do AVC, elas tendem a receber menos tratamento que os homens (tratamento agudo e reabilitação)
·  Mulheres e tipos de AVC: alguns tipos de AVC são mais comuns em mulheres, como trombose venosa cerebral e hemorragia subaracnoide.
·  Os cuidados do paciente pós AVC recai principalmente sobre as mulheres. Uma pesquisa mostra que as mulheres cuidadoras de cônjuges que sofreram AVC tendem a relatar uma diminuição em saúde mental depois de se tornar cuidadoras. Além disso, as mulheres com depressão têm um risco maior de AVC.
·  Há um hiato de conhecimento sobre o AVC em relação aos sexos. Apesar das mulheres serem mais conscientes sobre sinais de AVC e sobre os tratamentos do que os homens, as mulheres demoram mais para chegar ao hospital após o início dos sintomas de AVC e tem menos conhecimento sobre o tempo de 4,5 horas para o tratamento do AVC.
O AVC é em grande parte evitável ​​por meio da melhora do estilo de vida, mas para vencê-lo as mulheres precisam de informações específicas sobre o AVC, as práticas preventivas e de cuidados agudos e de longo prazo. Junte-se a nós na Campanha de AVC de 2014 para nos ajudar a aumentar a conscientização sobre o AVC, participando das atividades do Dia Mundial do AVC, e organizando o seu próprio evento. O AVC não discrimina, ele afeta a todos nós.
Para mais informações sobre o AVC em mulheres leia: Bibliografia - Women and Stroke (PDF em Inglês)
Contamos com o seu apoio. Juntos, podemos vencer a luta contra o AVC!
Saiba mais sobre o AVC (Acidente Vascular Cerebral)
Se considerarmos um vaso sanguíneo isolado, o fluxo sanguíneo para o cérebro pode ser prejudicado de duas formas:
1.   A obstrução dos vasos (AVC isquêmico)
2.   A ruptura dos vasos, causando derrame de sangue para o cérebro (AVC Hemorrágico)
AVC Isquêmico
AVC isquêmico representa cerca de 87% de todos os casos.
Eles ocorrem como um resultado de uma obstrução num vaso sanguíneo que fornece sangue ao cérebro. Esta obstrução pode ocorrer devido ao desenvolvimento de depósitos de gordura que revestem as paredes dos vasos (chamada de aterosclerose). Estes depósitos de gordura podem causar dois tipos de obstrução:
·  Trombose cerebral refere-se a um trombo (coágulo de sangue) que se desenvolve nestas placas de gordura do vaso obstruído dentro do cérebro.
· Embolia cerebral refere-se geralmente a um coágulo que se forma em outro local no sistema circulatório, geralmente grandes artérias da parte superior do peito e no pescoço (por exemplo artéria carótida, aorta). Uma parte desta placa de gordura e desde coágulo se soltam, entram na corrente sanguínea e viajam através dos vasos sanguíneos até o cérebro até atingir e obstruir vasos menores que não os deixam passar. A segunda causa importante de embolia cerebral é um batimento cardíaco irregular, conhecido como fibrilação atrial. Este batimento cardíaco irregular deixa o sangue mais parado no coração, podendo formar coágulos que se desprendem e viajam até o cérebro, obstruindo um vaso cerebral.
AVC hemorrágico
Acidente vascular cerebral hemorrágico é responsável por cerca de 13% dos casos de AVC. É o resultado de um vaso enfraquecido que rompe e sangra no cérebro circundante. O sangue se acumula e comprime o cérebro Os dois tipos de Acidentes Vasculares Cerebrais hemorrágicos são a hemorragia intracerebral ou hemorragia subaracnóide.
O AVC hemorrágico, principalmente, a hemorragia subaracnóide, pode ocorrer quando um vaso sanguíneo enfraquecido rompe. Dois tipos de vasos sanguíneos enfraquecidos costumam causar acidente vascular cerebral hemorrágico: aneurismas e malformações arteriovenosas (MAV).
Um aneurisma é como um balão que se forma em uma região enfraquecida de um vaso sanguíneo. Se não for tratado, o aneurisma continua a enfraquecer até romper e sangrar no cérebro. Uma malformação arteriovenosa (MAV) é um conjunto de vasos sanguíneos anormalmente formados. Qualquer um desses vasos podem se romper, também causando sangramento no cérebro.
Fonte: Estas informações foram elaboradas pela Associação Americana de AVC (American Stroke Association), uma Associação membro da WSO e colocadas à disposição da Organização Mundial de AVC (WSO).
Sinais Alerta do AVC
Estes são os sinais de alerta de que alguém está tendo um AVC:
·   Dormência súbita ou fraqueza na face, braço ou perna, especialmente em um lado do corpo
·    Súbita confusão, dificuldade para falar ou compreender a fala
·    Dificuldade súbita de enxergar em um ou ambos os olhos
·    Súbita dificuldade para caminhar, tontura, perda de equilíbrio ou coordenação
·    Dor de cabeça súbita, intensa, sem causa conhecida
Se você perceber um ou mais desses sinais, não espere. O AVC é uma emergência médica.

Chame seus serviços médicos de emergência (no Brasil: SAMU 192) e procure um hospital imediatamente!

Aprenda a Prevenir o AVC
Aqui estão seis passos que qualquer pessoa pode seguir para reduzir o risco e o perigo de um AVC
1. Conheça os seus próprios fatores de risco: pressão alta, diabetes, colesterol alto.
2. Seja ativo e faça atividade física regularmente.
3. Mantenha uma dieta saudável rica em frutas e vegetais e com pouco sal, para se manter saudável e com pressão sanguínea baixa.
4. Limite o consumo de álcool.
5. Evite o hábito de fumar. Se você é fumante, procure ajuda e pare imediatamente.
6. Aprenda a reconhecer os sinais de alerta do AVC.
Dieta pobre em sal
Recomenda-se que o consumo de sal seja reduzido para menos de 5 g por dia para reduzir o risco de ter um Acidente Vascular Cerebral.
1.   O sal aumenta nossa pressão sanguínea
2.   Quanto maior a nossa pressão sanguínea, maior nosso risco de AVC
3.   Os adultos devem consumir menos de 5 g de sal ao dia, e as crianças ainda menos
4.   É particularmente importante que crianças não consumam muito sal pois a pressão sanguínea pode começar a aumentar na infância
5.   O sal está em alimentos do dia a dia como o pão, molho, queijo e carne processada, bem como o sal que acrescentamos na mesa e durante o preparo dos alimentos
6.   Reserve um tempo para se acostumar a reduzir o sal na alimentação, e você apreciará tanto quanto, senão mais, que o alimento salgado
Fibrilação atrial e outras doenças cardíacas
Fibrilação atrial (FA) é uma doença cardíaca pouco diagnosticada e pouco tratada e um dos maiores fatores de risco para o AVC. A FA faz com que os batimentos do coração fiquem descompassados, o que resulta em sangue acumulado (parado) dentro do coração podendo levar a formação de um coágulo. Esses coágulos podem viajar até ao cérebro e obstruir um vaso sanguíneo cerebral causando um AVC grave e, frequentemente, fatal. AVC devido a FA pode ser evitado pelas medicações anticoagulantes.
A WSO recomenda que pessoas que sofreram um ataque cardíaco (Infarto do miocárdio), que tenham diagnóstico de uma doença cardíaca ou tenham um ritmo cardíaco irregular devem ser acompanhados regularmente nos serviços de saúde com o objetivo de evitar a ocorrência de um AVC.
Sinais de alerta do AVC
O teste SAMU é uma maneira fácil para que todos possam lembrar e reconhecer os sinais de AVC:
Sorriso - Peça para dar um sorriso. A boca está torta?
Abraço - Pode levantar os dois braços?
Música - Peça para cantar ou falar uma frase. A fala é arrastada? Ele entende o que você diz?
Urgente - Se você identificar qualquer um destes sinais, Urgente ligue SAMU (192), ou vá imediatamente para um hospital preparado para atender casos de AVC.
Pense rápido. Aja rápido. AVC é uma emergência médica!
Fatos sobre o AVC
O Acidente Vascular Cerebral (AVC) também conhecido como doença cerebrovascular ou derrame) ocorre quando um vaso sanguíneo que leva sangue e nutrientes para o cérebro para de funcionar: ou ele obstrui por um coágulo ou placa de gordura ou ocorre uma hemorragia. Quando isso acontece, uma parte do cérebro não recebe mais o sangue e oxigêno que necessita e começa a morrer. A extensão e localização do dano cerebral determina a gravidade do AVC, que pode variar de leve a catastrófico. Como diferente áreas do cérebro controlan diferentes funções, os efeitos específicos de um AVC dependem da área cerebral que foi lesada. Um pequeno AVC em uma área crítica do cérebro pode INCAPACITAR permanentemente. Como os neurônios não se regeneram, o dano às células é permanente. Milhões de células cerebrais morrem a cada minuto em um AVC não tratado. A ruptura dos vasos cerebrais causa hemorragia cerebral ou AVC hemorrágico.
Quais são os sinais de alerta do AVC?
·   Dormência súbita ou fraqueza na face, braço ou perna, especialmente em um lado do corpo
·    Súbita confusão, dificuldade para falar ou compreender a fala
·    Dificuldade súbita de enxergar em um ou ambos os olhos
·    Súbita dificuldade para caminhar, tontura, perda de equilíbrio ou coordenação
Tipos de AVC
Existem dois tipos de AVC causados pelo prejuízo do fluxo sanguíneo para o cérebro, que pode ocorrer de duas formas:
1. Aqueles quando ocorre oclusão da circulação - Acidente Vascular Cerebral isquêmico
2. Quando ocorre a ruptura de um vaso, causando hemorragia cerebral - AVC hemorrágico
Distúrbios após AVC
Os seguintes distúrbios podem ocorrer na sequência de um AVC e afetam a maioria dos pacientes com AVC:
·    DOR
·    DEPRESSÃO
·    ESPASTICIDADE
Faça o download do folheto WSC Advocacy
Neste panfleto, nós gostaríamos de compartilhar com vocês três princípios básicos para uma abordagem abrangente e contínua, desde a prevenção ao tratamento até a reabilitação e cuidados a longo prazo para enfrentar a epidemia do AVC
Fatos e Números
Pergunta: É verdade que o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é responsável por mais de 6 milhões de mortes todos os anos?
Resposta: Sim. Segundo a Organização Mundial da Saúde e outros experts em AVC, o AVC mata 6,2 milhões de pessoas no mundo a cada ano.
Estima-se que 17,3 milhões de pessoas morreram de doenças cardiovasculares em 2008, representando 30% de todas as mortes no mundo. Dessas mortes, estima-se que 7,3 milhões foram devido a doenças coronárias e 6,2 milhões foram devido ao AVC.
Fontes:
· Global status report on noncommunicable diseases 2010. Geneva, World Health Organization, 2011.
·  Global atlas on cardiovascular disease prevention and control. Geneva, World Health Organization, 2011.
· WHO Cardiovascular Diseases Fact Sheet No. 317. Updated March 2013 http/www.who.int/mediacentre/factsheets/fs317/en/
·  WHO (2005). Preventing chronic diseases: a vital investment: Geneva. World Health Organization
· Truelsen, T., Heuschmann, P.U., Bonita, R. et. al., (2007). Standard method for developing stroke registers in low-income and middle income countries: experiences from a feasibility study of a stepwise approach to stroke surveillance (STEPS Stroke). The Lancet Neurology, 6, 134-139.
Pergunta: É verdade que o AVC mata mais pessoas a cada ano do que a AIDS, tuberculose e malária juntos?
Resposta: Sim. (1) Em 2008, as mortes relacionadas com a AIDS atingiram 2,0 milhões (1.7 a 2.4 milhões); (2) 1,8 milhões de pessoas morreram de tuberculose em 2008, incluindo 500 mil pessoas com HIV; (3) houve 247 milhões de casos de malária em 2006, causando aproximadamente um milhão de mortes, principalmente entre crianças africanas. Segundo a Organização Mundial da Saúde e outros experts em AVC, o AVC mata 6,2 milhões de pessoas no mundo a cada ano.
Fontes:
·  Global status report on noncommunicable diseases 2010. Geneva, World Health Organization, 2011.
·   Global atlas on cardiovascular disease prevention and control. Geneva, World Health Oganization, 2011.
· WHO Cardiovascular Diseases Fact Sheet No. 317. Updated March 2013 http/www.who.int/mediacentre/factsheets/fs317/en/
·    2009 AIDS Epidemic Update. Geneva: UNAIDS/WHO.
· World Health Organization, Malaria Fact Sheet No. 94, Updated January 2009, http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs094/en/index.html
·         WHO/Stop TB Partnership. 2009 Update. Tuberculosis Facts. 
Pergunta: É verdade que o AVC também afeta crianças?
Resposta: Sim. O AVC também afeta crianças, incluindo recém-nascidos. Visite os site de associações membros da WSO para mais informações:
Fontes: 
·    American Stroke Association   http://www.strokeassociation.org
·    National Stroke Foundation - Australia   http://www.strokefoundation.com.au/
·   The Stroke Association – United Kingdom   http://www.stroke.org.uk/
 Pergunta: É verdade que a maioria dos AVCs não causam dor?
Resposta: Sim. A maioria dos AVCs não causam dor. Oitenta por cento dos AVCs são isquêmicos, causados ​​por um coágulo de sangue que obstrui uma artéria do cérebro e, geralmente, não causam dor. O AVC interrompe o oxigênio para uma parte do cérebro e, por isso, as células do cérebro começam a morrer, mas isso geralmente não é doloroso. Não ignore os sintomas porque eles não causam dor. Apenas 20% dos AVCs são causados ​​por sangramento dentro do cérebro, e este tipo de AVC geralmente é muito doloroso.
Fonte:
·  University of Virginia (USA) Health Systems website:http://www.healthsystem.virginia.edu/
Pergunta: É verdade que no mundo, a cada 10 segundos morre 1 pessoa por AVC?
Resposta: Sim. Em todo o mundo estima-se que a cada 60 segundos 6 pessoas morrem de AVC.
Fontes:
·    World Health Report 2007. Geneva: World Health Organization.
·  International Cardiovascular Disease Statistics (2007 Update). A publication of the American Heart Association.
Pergunta: É verdade que a cada dois segundos, alguém, em algum lugar do mundo está tendo um AVC?
Resposta: Sim. Há uma estimativa de que ocorrem 30 novos AVCs a cada 60 segundos em todo o mundo. A maioria são referidos como AVCs "silenciosos". Estes sãos os tipos mais comuns de AVC. A palavra "silencioso" é um equívoco. Quando as pessoas com AVC "silencioso" são examinadas, elas têm déficits neuropsicológicos e neurológicos sutis. Um artigo do Estudo de Framingham sugere que 1 em cada 10 indivíduos sem AVC prévio vivendo na comunidade, com média de idade de 62 ± 9 anos tem um AVC "silencioso". Se ignorados, pequenos AVCs poderiam significar um grande problema. Um AVC subclínico (“silencioso”) está associado com maior probabilidade de ter outros AVCs e de ter um AVC com sintomas e / ou demência. A combinação de AVC subclínico e Alzheimer subclínico pode ser uma base para a associação de AVC e demência, uma vez que o risco de desenvolver um ou ambos é de 1 em cada 3.
Fontes:
·    Das RR, Seshadri S, Beiser AS, Kelly-Hayes M, Au R, Himali JJ, Kase CS, Benjamin EJ, Polak JF, O'Donnell CJ, Yoshita M, D'Agostino RB, DeCarli C, Wolf PA. Prevalance and correlates of silent cerebral infarcts in the Framingham Offspring Study. Stroke. 2008;39: In press. Epub ahead of print June 26, 2008. DOI: 10.1161/STROKEAHA.108.516575.
·   Vermeer SE, Longstreth WT Jr, Koudstaal PJ. Silent brain infarcts: a systematic review. Lancet Neurol. 2007; 6: 611–619.[CrossRef][Medline] [Order article via Infotrieve]
·   Yaksuhiji Y, Nishiyama M, Yakushiji S, Hirotsu T, Uchino A, Nakajima J, Eriguch M, Nanri Y, Hara M, Horikawa E, Kuroda Y. Brain microbleeds and global cognitive function in adults without neurological disorder. Stroke. 2008; 39: in press.
·   Shehadri S, Beiser A, Kelly-Hayes M, Kase CS, Au R, Kannel WB, Wolf PA. The lifetime risk of stroke: estimates from the Framingham Study. Stroke. 2006; 37: 345–350.
Pergunta: É verdade que 80% das pessoas que tem um AVC vivem em países de baixo e médio desenvolvimento?
Resposta: Sim. O ônus do AVC afeta desproporcionalmente pessoas que vivem em países com poucos recursos. De 2000 a 2008, as taxas globais de novos AVCs (incidência) em países de baixo e médio desenvolvimento superou as de países de alto desenvolvimento em 20%.
Fonte:
  Truelsen, T., Heuschmann, P.U., Bonita, R. et. al., (2007). Standard method for developing stroke registers in low-income and middle income countries: experiences from a feasibility study of a stepwise approach to stroke surveillance (STEPS Stroke). The Lancet Neurology, 6, 134-139.
Pergunta: É verdade que a incidência de AVC está crescendo e que uma carga desproporcional tem sido identificada em países com recursos limitados, onde a consciência da prevenção, cuidados e apoio é menor?
Resposta: Sim Hoje, dois terços de todas as pessoas que sofreram um AVC vivem em países em desenvolvimento, onde os sistemas de saúde já são desafiados ao limite.
Fonte:
  Truelsen, T., Heuschmann, P.U., Bonita, R. et. al., (2007). Standard method for developing stroke registers in low-income and middle income countries: experiences from a feasibility study of a stepwise approach to stroke surveillance (STEPS Stroke). The Lancet Neurology, 6, 134-139.
Pergunta: É verdade que o AVC é a segunda principal causa de morte de pessoas com idade acima de 60 anos?
Resposta: Sim. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o AVC é a principal causa de morte em pessoas acima de 60 anos e a quinta principal causa em pessoas com idades entre 15-59.
Fonte:
  Mackay, J & Mensah G. (2004). Atlas of Heart Disease and Stroke. Geneva: World Health Organization.
Pergunta: É verdade que a maioria das pessoas não reconhecem os primeiros sintomas do AVC?
Resposta: Sim. Aproximadamente 70% dos pacientes não reconhecem corretamente seu Acidente Isquêmico Transitório (AIT) ou AVC, 30% demoram mais de 24 horas para procurar atendimento médico, independentemente da idade, sexo, classe social ou nível educacional, e aproximadamente 30% dos AVCs recorrentes precoces ocorrem antes do paciente procurar assistência. Sem educação pública mais eficaz de toda a população, o potencial de prevenção aguda não acontecerá.
Fonte:
  Chandratheva, A., Lasserson, D.S. et al. (June 2010). Population-Based Study of Behavior Immediately After Transient Ischemic Attack and Minor Stroke in 1000 Consecutive Patients: Lessons for Public Education. Stroke, 41, 1108-1114.
Pergunta: É verdade que a pressão alta é o principal fator de risco para o AVC?
Resposta: Sim. É muito importante você saber se tem fatores de risco como hipertensão arterial, diabetes ou colesterol alto.
Fonte:
  Helsingborg Declaration 2006 on European Stroke Strategies (ed. T. Kjellstrom, B. Norrving, A. Shatchkute). Copenhagen: World Health Organization.
    Norrving, B. (2003). Long-term prognosis after lacunar infarction. The Lancet Neurology, 2,(4), 238-245.

Pergunta: É verdade que o AVC é a principal causa de incapacidade em todo o mundo?
Resposta: Sim. O AVC é a principal causa de incapacidade em todo o mundo.
De acordo com a revista The Lancet 28 nov 2009, o AVC é a segunda causa de incapacidade em países de baixo e médio desenvolvimento. A demência é a primeira. Juntos, demência e AVC contam com um terço de toda a incapacidade a longo prazo em todo o mundo. A Atualização da Carga Global de Doenças (2004) da Organização Mundial de Saúde (republicado em 2008) também fornece dados mundiais sobre a incapacidade no AVC (incapacidade moderada a grave).
Fontes Adicionais: Feigin, V.L., Forouzanfar, MH et al. Global and regional burden of stroke during 1990-2010: findings from the Global Burden of Disease Study 2010. The Lancet, Early Online Publication, 24 October 2013. doi:10.1016/S0140-6736(13)61953-4.
Junte-se à campanha "Um em cada seis". Diga a seis outras pessoas para aceitar este desafio e auxiliar a evitar o AVC.
Distúrbios pós  AVC
DOR
Os músculos paralisados do ombro não são capazes de ajudar os tendões a manter a extremidade superior do braço na articulação do ombro. Como resultado, o braço se desloca da junta do ombro (cai), o que é muito doloroso e pode ser impedido com a reabilitação da mão e do braço.

DEPRESSÃO

Depressão pós-AVC, como depois de qualquer doença grave, é muito comum, muitas vezes fica sem diagnóstico, reduz a capacidade do paciente para a reabilitação, e prejudica seu / sua qualidade de vida. Além disso, ela não afeta apenas sobreviventes de AVC, mas também os seus familiares mais próximos e seus cuidadores. Para muitos dos pacientes, seus cônjuges e seus filhos, a depressão causa uma grande e prolongada carga.

DECLÍNIO COGNITIVO

O AVC pode levar ao declínio cognitivo, e é ainda mais comum depois de um AVC recorrente. O declínio cognitivo também ocorre após AVCs subclínicos recorrentes que muitas vezes não são diagnosticados devido a ausência dos sintomas clássicos de AVC. No entanto, eles causam muitos danos e reduzem a capacidade mental dos pacientes.

ESPASTICIDADE

A lesão cerebral por AVC por vezes causa contração involuntária dos músculos paralisados depois de tentar mover um membro. Isso causa endurecimento e tensão. Os músculos contraídos, muitas vezes congelam as articulações da mão e do braço permanentemente em uma posição anormal e muitas vezes dolorosa. Quando um músculo não pode completar a sua gama completa de movimentos, os tendões e tecidos moles circundantes podem tornar-se endurecidos. Isso torna o alongamento muscular muito mais difícil.
A espasticidade no braço pode tornar o punho endurecido, o cotovelo dobrado e o braço pressionado contra o peito. Isso pode interferir seriamente com a capacidade de um sobrevivente de AVC realizar atividades diárias como vestir-se. A espasticidade na perna pode causar um joelho rígido, um pé desviado e os dedos contraídos.
Todas essas doenças podem ser diagnosticadas e existem tratamentos disponíveis para a maioria deles.

Meu canal de slides