domingo, 21 de junho de 2015

5 Obstáculos Raramente Considerados na Educação do Século 21


2015-06-20_11.49.12Quais são os maiores obstáculos para mudar a educação? Alguns são econômicos. Outros são de infraestrutura. Poucos são tecnológicos. Os desafios mais significativos são filosóficos. Estamos casados ​​com modos particulares de pensar sobre a escola, a aprendizagem e a vida, os quais estão limitando nossa capacidade de melhor servir os nossos filhos.

O modo como vivemos no mundo está mudando. Portanto, a educação também precisa mudar. Não acredito que a retórica popular e nossas escolas não estão "falhando”. Mas eles também não estão preparando as crianças para serem adultos (num mundo em que estamos evoluindo rapidamente) de forma tão eficaz quanto poderiam. Principalmente, porque estamos lutando para desvendar paradigmas de pensamento moldados para alguns seres essencialmente humanos.

Algumas de nossas ideias são específicas para os tempos em que elas apareceram, outras estão resistindo. Boa educação envolve enquadrar conhecimento persistente dentro das estruturas atuais. Quando não podemos desvendar o atemporal do contemporâneo, nós mascaramos nossa confusão com argumentos fáceis sobre tecnologia ou entrega de conteúdo. Mas a eficácia da distribuição é irrelevante se não formos claros sobre o que queremos ensinar.


Aqui estão cinco formas de pensamento que estão na maneira de educar as crianças de hoje.

1. Nós temos um fetiche de informações que nos leva a confundir educação com a mídia. Ou melhor "o conteúdo de aprendizagem interativa” digital é grande, mas quem diz que é uma correção de tudo está tentando vender-lhe algo.

Há "conteúdos de aprendizagem interativa" em todos os lugares que você olhar. Mas nós geralmente não usamos a palavra "aprendizagem" para descrever a informação que nós descobrimos, experimentamos e compreendemos enquanto navegamos no Facebook, ou compramos donuts, ou andamos pela rua. Em vez disso, nós chamamos de aprendizagem o que estamos falando sobre o processo de incorporação e na forma de compreender conjuntos de dados intencionalmente estruturados que fazem a transição de uma experiência sensorial bruta em uma "informação".

Primeiro há dados. E os dados, uma vez que sejam definidos, organizados e categorizados, tornam-se informações. E, em seguida, depois disso, torna-se conhecimento significativo. Pense, por exemplo, sobre a luz aleatória do sol poente refletindo e a refratando. Os comprimentos de onda azul se dispersa para longe à medida que os vermelhos são filtrados através da parte mais espessa da atmosfera. Este fenômeno inspira toda a poesia romântica, a beleza e a emoção que nós associamos com o nascer e o pôr do sol. Os dados se tornam informação. E, então, a informação, uma vez incorporada em nossos sistemas coletivos de entendimento – descrita em termos de luz e refração - torna-se "conhecimento".

E este é um processo que parece, pelo menos historicamente falando, acontecer organicamente. É inconsciente. O conhecimento emerge. Primeiro, os indivíduos conscientemente tomam dados brutos e eles intencionalmente os transformam em informação. Isso é o que os escritores, cientistas, filósofos, historiadores, e os matemáticos fazem. Eles tomam dados brutos e eles os moldam em informação. Então, para fazer esse movimento a partir de informações para chegar ao conhecimento, para levá-lo para aquele lugar onde a informação se torna significativa para uma comunidade ou para uma civilização – onde ela é adotada, onde se torna verdade, onde ela adquire uma espécie de moeda-cultural - exatamente como ela se move até aquele lugar continua a ser um pouco de mistério. Há muitas teorias. Mas, principalmente, ainda estamos intrigados.

Aqui está o que sabemos com certeza: nós sabemos que o conhecimento que tem se transformado em moeda cultural, o conhecimento que se transformado em parte de um caminho adotado coletivamente para fazer sentido, precisa ser transmitido entre as gerações. Essas coisas precisam ser ensinadas.

E, portanto, esse conhecimento se torna assunto de "conteúdo educacional”. Isto é o que nossos alunos precisam "aprender". Não se trata de habilidades, ou fatos, ou conteúdo. Trata-se de conhecimento.

2. Estamos obsessivamente apaixonados por nossas próprias criações tecnológicas. Esquecemo-nos de que, apesar de nossas ferramentas terem ficado muito sofisticadas, nossas formas de pensar não têm realmente mudado tanto.

Algo muito estranho aconteceu com a humanidade. Tivemos todos esses dados, todas essas informações, tanto conhecimento, tantas maneiras diferentes de fazer sentido de que precisávamos criar ferramentas de memória - ferramentas, não só para armazenar essa informação e conhecimento, mas também para torná-lo pesquisável e acessível.

Agora, você provavelmente acha que eu estou me referindo à internet. Mas eu não estou. Eu estou falando sobre ferramentas como pergaminhos e livros e bibliotecas. A internet é incrível, mas ainda é apenas um livro mais rápido, uma biblioteca mais rápida, uma maneira mais rápida de transmitir métodos para fazer sentido, transmitindo moeda cultural.

Quando se trata de educação, a internet só importa porque faz essa memória e acessibilidade tão rápida e tão fácil que agora não temos outra escolha senão reconhecer a importância da compreensão. Temos agora de reconhecer a importância de ensinar aos jovens o processo através do qual as coisas tornam-se significativas: de interpretação e de classificação e análise; o tipo de resolução de problemas e pensamento crítico que capacita cada indivíduo para transformar dados brutos em informações e, em seguida, transformar informação em conhecimento.

Isso é o que queremos dizer com a aprendizagem nos dias de hoje. Nós não nos importamos mais sobre a capacidade de armazenar fatos, de reter informações, de ser capaz de regurgitar as narrativas coletivas. Não tem mais nenhum valor. Temos ferramentas para fazer tudo isso. Então, por que ainda estamos tão confusos?

3. Nós somos realmente bons em jogar fora os brinquedos tecnologicamente obsoletos, mas evitamos jogar fora paradigmas de pensamento. Este é o lado sombrio de nossa genialidade de arquivo.

Existem resquícios folclóricos de pré-alfabetizados tribais populares em nossa psique. Em algum lugar, lá no fundo todos nós, continuamos a respeitar as convenções de nossos ancestrais pré-históricos. E eu acho que é por isso que ainda estamos brigando por testes padronizados, e o sábio ensino sobre histórias, e todas essas coisas.

Todos nós recebemos este carrossel cheio de bagagem de antes da facilidade de impressão - quando ainda vivíamos em tribos. Há essa parte da nossa psique que ainda está vivendo em aldeias com fornos comunitários. Naquela época, vivendo em pequenas comunidades vulneráveis, as pessoas estavam unidas apenas por suas histórias partilhadas.

Formas comuns de organização de dados asseguram sobrevivência coletiva. Nesse mundo, você precisa saber quais as plantas pode comer e quais evitar. Você precisa saber que trilhas são seguras e quais são perigosas. Você precisa saber quais os vizinhos que são amigos e quais são inimigos. Você precisa da mitologia, dos conhecimentos e das narrativas. Mas você não tem ferramentas para lembrar e recuperar essa informação.

Portanto, a capacidade de ser uma biblioteca humana, uma enciclopédia, um banco de dados vivo, uma planilha atualizável, era significativa. Habilidades de arquivo tinham alto valor de mercado. Memória fazia uma pessoa ser um grande trunfo social. Ela deu a uma pessoa, propósito, utilidade e valor. E todos nós queremos que nossos filhos tenham propósito, utilidade e valor. Durante muito tempo, aumentar a quantidade de conhecimento disponível na ponta dos dedos era uma forma de garantir o sucesso de uma criança ...

Até que se terceirizou esse papel para as máquinas! Nós criamos tecnologias para se lembram, se comunicam e mantêm a coerência histórica. Agora a aprendizagem não é mais sobre a memória e recordação. Não é mais sobre habilidades mnemônicas. Não é mais sobre o armazenamento e a pesquisa. Não é mais sobre o conteúdo.

Claro, você ainda pode vender conteúdo para as pessoas apelando para seus medos primitivos, como um vendedor de óleo de cobra viajando para aldeias tribais habitadas por pessoas inconscientes. Mas se você quer que o conteúdo seja eficaz e impactante, a educação tem de se adaptar. Ele não funciona como a difusão de mídia. Não é apenas uma questão de entrega de conteúdo e nem tão pouco de acessibilidade equitativa. Nós temos problemas muito maiores.

4. Nós ensinamos nossas crianças que a vida é chata. E se não está animado e apaixonado pela vida, ele realmente não se importa o quanto "conteúdo" que eles memorizam ou quantas "habilidades" já dominam.

Como a maioria das crianças da sua idade, meus meninos de sete e dez anos de idade gostam de jogar Minecraft. Eles jogam em tablets e smartphones. Eles jogam em laptops e consoles. Eles estudam tutoriais e compartilham dicas com os outros. Eles até mesmo jogam em servidores internacionais com pessoas que nunca conheceram.

O Minecraft está literalmente moldando a perspectiva dos meus filhos sobre o mundo. Na verdade, eu tenho certeza que está moldando a maneira de uma geração inteira de pensar de forma coletiva. Assim, cerca de um ano atrás eu decidi como deveria chamar todas essas crianças: Generation Blockhead (Geração de Cabeça Bloqueada, em tradução livre). Eu gostaria de ver este termo ser difundido. Eu continuo a escrevê-lo, mas ele ainda não pegou. Eu acho que talvez porque "Generation Blockhead" soa muito como um insulto. Mas eu não queria dizer isso desse jeito todavia.

De qualquer forma, eu acho que o Minecraft está tornando as crianças mais inteligentes. Mas se eu disser isso para os tecnofobistas, para os pais Waldorf, e todo um subconjunto de pais e professores muito inteligentes, preocupados e compassivos, pode se tornar muito antipático. Eles me perguntam sobre o vício em videogames. Eu dou de ombros.

Eu também estou um pouco preocupado que meus filhos possam escolher olhar para uma tela ao invés brincar do lado de fora de asa. Na verdade, o meu filho às vezes tenta escapar de idas em família à sorveteria para que ele possa continuar jogando. E isso é muito louco para mim porque ele está entrando numa GELADA. Claramente as suas prioridades estão muito fora de sintonia.

Mas eu realmente não acho que podemos culpar o Minecraft por isso. Em vez disso, eu acho que a maneira obsessiva com que as crianças são absorvidas pelos jogos de vídeo diz mais sobre a forma como apresentamos o mundo e a vida para eles do que sobre as tentações do mundo do jogo.

Em outras palavras, eu acho que isso diz mais sobre a forma como eles aprendem a pensar sobre a vida real, a nossa forma de treiná-los a pensar sobre o mundo em que vivem. Muitas vezes esquecemos que o propósito da educação, em primeiro lugar, é fazer com que o mundo da vida seja mais envolvente, para torná-lo mais mágico. Precisamos parar de culpar os jogos de vídeo e começar a tentar tornar as crianças tão apaixonadas sobre o mundo da vida, como elas são sobre o mundo dos jogos. O problema é que nossos próprios egos estão no caminho.

5. Os adultos têm um complexo de inferioridade. Nós estamos com tanto medo de perder a nossa autoridade que a maioria das escolas são configuradas como grandes mentiras para enganar as crianças a pensar que os adultos são especialistas.

O grande físico Richard Feynman costumava dizer que a prática da ciência é como descobrir um jogo de xadrez gigante em um tocador de mídia e tentar extrapolar as regras do jogo com base apenas na observação das poucas peças que somos capazes de ver, talvez dois peões e uma torre.

Pense nisso em termos de jogos de vídeo. Imagine que você só pode ver Mario e Luigi pulando para um nível final e que você tenha que interpolar a partir daí todas as regras do Reino do Cogumelo. Boa sorte! Este é um problema cosmológico. Na verdade, este é o problema cosmológico.

Mas é também uma forma verdadeiramente mágica e envolvente de pensar sobre o mundo ao seu redor. Pare de se preocupar com o tempo diante da tela por um momento e imagine o que aconteceria se todos esses jovens jogadores pensassem sobre dados, sobre informação e sobre conhecimento desta forma. Imagine se eles entenderiam que a escola é sobre o aprender as regras de um jogo, sobre o ver que há forças muito maiores do que nós nos manuseando distante de seus gamepads, as forças se movendo pelos avatares e componentes em torno de uma forma complexa e confusa.

É difícil para nós imaginar porque enquadrar a educação dessa maneira significaria que teríamos tudo e até possuiríamos a verdade. Nós teríamos que reconhecer que apesar de suas métricas, ou neurociência, ou estatísticas, ou computadores, ou engenharia, ou até mesmo física teórica, os adultos não são autoridades, porque a nossa compreensão do mundo não só é falível, mas também extremamente limitada. O conhecimento que temos é realmente moeda apenas cultural. Certamente, este conhecimento é valioso, mas nunca se esqueça de que estamos realmente apenas rabiscando furiosamente símbolos em papel, esperando que tenhamos algo certo.

Para apresentar o mundo para nossos filhos dessa maneira, como um jogo, nós teríamos que deixar de considerar nossos egos adultos. Então, nós poderíamos começar na escola, invertendo as coisas. Gostaríamos de dizer aos filhos que precisamos da ajuda deles. A nossa própria mortalidade torna este um fato! Não podemos jogar mais longe no jogo sem eles. Precisamos ser honestos. Diga aos alunos que todo o propósito da escola é apenas para mostrar-lhes tudo o que aprendemos sobre as regras do jogo antes de virar o joystick.

Precisamos deixar claro para os alunos que o que fazemos como seres humanos, é coletar e organizar dados. Nós não adquirimos as habilidades que servem corporações, ou economias, ou governos. Estas instituições são todas as tecnologias culturais que se destinam a servir-nos, e não o contrário. Nós não as atendemos. Elas foram feitos para servir-nos para que possamos fazer o que fazemos de melhor: à procura de formas sistemáticas de fazer sentido a partir dos dados brutos de experiência, tentando dar sentido a este jogo cósmico caótico de Super Mario Brothers.
 

Fonte: Jordan Shapiro, PhD. é Colaborador da Forbes, escreve sobre educação global, aprendizado baseado em jogos, crianças e cultura e o autor de FREEPLAY: A Video Game Guide To Maximum Euphoric Bliss and The Mindshift Guide To Digital Games and Learning.

Meu canal de slides