terça-feira, 28 de abril de 2015

Os deslizamentos cognitivos e as habilidades financeiras são muitas vezes os primeiros a sumir


Certa nora levou seu sogro, com 83 anos de idade, ao médico pois observara que a mente dele estava se desvanecendo, o que foi confirmado por um exame do estado mental do paciente. Ele sabia exatamente o ano em que nascera e o nome do presidente naquele ano. Mas quando o médico pediu-lhe para contar para trás a partir de 100, subtraindo sete de cada número - 100, 93, 86, 79 - um olhar de confusão tomou conta de seu rosto.
Estudos mostram que a capacidade de executar problemas simples de matemática, assim como lidar com assuntos financeiros, são tipicamente um dos primeiros conjuntos de habilidades a diminuir em doenças da mente, como a doença de Alzheimer, e o paciente, que sofria de demência leve, não foi exceção. A pesquisa mostrou também que mesmo cognitivamente pessoas normais podem chegar a um ponto em que a tomada de decisão financeira se torna mais desafiadora.
"Uma pessoa pode parecer ter a sua percepção perfeita cognitivamente, mas não tem mais a capacidade de compreender o dinheiro da mesma forma", disse Clark, uma enfermeira.
O problema se agiganta, sobretudo porque o número de pessoas idosas continua a expandir-se rapidamente: há 44,7 milhões de pessoas com 65 anos de idade e até  mais velhos, o que representa 14 por cento da população, de acordo com os dados do censo mais recentes, mas, dentro de 10 anos, eles vão crescer para uma estimativa de 66 milhões.
Este grupo detém coletivamente trilhões de dólares em riqueza, mas muitas vezes deixam de gerir suas próprias finanças, ao mesmo tempo que eles se tornam cada vez mais vulneráveis. Cerca de metade dos adultos na faixa dos 80 anos ou têm demência, ou pelo menos algum comprometimento cognitivo sem demência, disseram os pesquisadores .
"Se você puder detetar um comprometimento financeiro emergente cedo, você também poderá tomar pé da situação no início e proteger a pessoa", disse Daniel Marson, neuropsicólogo e diretor do Centro da Doença de Alzheimer da Universidade do Alabama, em Birmingham. "Se você prestar atenção por dois meses a partir de agora, eles não vão estar em posição de tomar uma má decisão ou serem exploradas por anos a fio, a partir de agora."
Para o paciente levado ao médico por sua nora, a intervenção veio tarde demais. Aos 80 anos, ele se casou com uma mulher 17 anos mais jovem, que, ao longo de sua união de três anos, de acordo com a família, descontou US$40.000 em cheques em branco e sumiu com 123,000 dólares de sua poupança, deixando ele com nada mais do que um gigantesco débito fiscal.
O paciente, Sr. Taylor, um ex-mecânico de motores diesel e veterano da guerra da Coreia, deu sua permissão à esposa para fazer dois saques da poupança, por telefone. Mas sua esposa, que não pôde ser contatada para comentar o assunto, fez mais de 20 saques por conta própria, usando o número da Seguridade Social de seu marido e outras informações de identificação e assinou papéis para direcionar o dinheiro em uma conta conjunta, de acordo com os documentos fornecidos por sua nora. Após uma investigação interna, a MetLife, o provedor da pensão, concluiu que ele havia seguido os procedimentos adequados.
Prevenir estas situações é muitas vezes difícil. Saber exatamente quando se envolver pode ser complexo, se você é um filho adulto ou um conselheiro de confiança. Há uma série de sinais de alerta do declínio financeiro, identificados pelo Dr. Marson  em um estudo recente, que estão sendo submetidos para publicação e foi financiado pelo National Endowment for Financial Education e pelo National Institute on Aging.
Os sinais, embora talvez não sejam surpreendentes, são sutis, tornando-os fácil de perder: pode tornar-se mais difícil para as pessoas identificar os riscos em um determinado investimento, e eles podem se concentrar muito sobre os benefícios. Completar várias tarefas em uma lista de afazeres financeiros pode começar a levar mais tempo, como o pagamento de contas pela internet. A matemática de todos os dias pode tornar-se mais trabalhosa ou propensa a erros, seja verificando uma conta em um restaurante ou fazendo um cálculo que requer duas etapas. Conceitos financeiros, como franquias médicas e saldos mínimos exigidos em contas de poupança, também podem se tornar mais difíceis de entender. Naturalmente, esses comportamentos devem representar uma mudança significativa. No entanto, se uma pessoa nunca foi adepta de finanças pessoais, isso não servirá como um indicador importante.
Dr. Marson disse que identificou estes sinais de avisos, como parte de um estudo com 138 adultos mais velhos ao longo do tempo, que inicialmente foram consideradas "cognitivamente normais" por um painel de quatro médicos quando eles se juntaram ao estudo (e depois de pelo menos uma visita anual de acompanhamento). Os participantes também foram cronometrados para verificar como eles completaram tarefas financeiras em um laboratório. Vinte e três membros do grupo receberam um diagnóstico de transtorno cognitivo leve, mas quando os investigadores se voltaram e olharam com mais profundidade para os resultados iniciais do teste de capacidade financeira - quando os membros do grupo foram considerados cognitivamente normais - já havia sinais sutis de desaceleração e declínio financeiro.
"O grupo que mais tarde iria declinar já tinha alguns sinais emergentes", disse o Dr. Marson, embora eles não fossem gritantes.
Enquanto muitas pessoas continuem a lidar bem com suas finanças por anos, outras pessoas com cérebros saudáveis ​​tendem a experimentar algum declínio cognitivo. De acordo com um estudo, que analisou a propensão dos participantes para cometer erros financeiros, o pico de capacidade financeira ocorre aos 53 anos, ou, mais geralmente, ao longo dos 50 anos de sua capacidade de tomada de decisão. Este é o ponto ideal, segundo o estudo, porque eles têm quantidades substanciais de experiência, embora tenham apresentado declínios modestos em sua capacidade de resolver novos problemas.
Há uma tendência geral para a nossa capacidade de resolver novos problemas - conhecido como inteligência fluida - que declina lentamente ao longo do tempo, começando tão cedo quanto aos 20 anos de idade. Mas esta é, pelo menos, parcialmente compensada ​​por nossas experiências de crescimento e sabedoria, conhecidas como inteligência cristalizada.
David Laibson , professor de economia em Harvard e co-autor da pesquisa, disse acreditar que a inteligência cristalizada tende a estabilizar quando as pessoas chegam à casa dos 70 anos. Esse ponto é acompanhado com o declínio da inteligência fluida e pode explicar por que os consumidores mais velhos cometem mais erros financeiros do que os de meia-idade, em seu estudo.
"Nesse ponto, verificam-se os aumentos de vulnerabilidade", disse o professor Laibson. "A riqueza da nossa nação é desproporcionalmente constituída por adultos mais velhos, e eles são exatamente o grupo a ser considerado, especialmente à medida que atingem seus anos 80 e 90 anos, quando são mais vulneráveis. Mas este é o sistema que tem o menor número de proteções para as pessoas ".
Ele disse que quer que todos os jovens de 65 anos comecem por simplificar sua vida financeira, reduzindo as aplicações financeiras de seu dinheiro para alguns fundos de investimento em uma instituição respeitável.
Se filhos adultos suspeitarem que precisam vigiar seus pais, eles também podem pedir às instituições financeiras que enviem declarações duplicadas ou avisos, caso o pai perca prazos seguidamente. O monitoramento também pode facilmente ser feito de longe com acesso on-line para as contas, mas esse tipo de acesso pode ser desastroso nas mãos erradas. Se a pessoa não tiver confiança nos membros da família ou amigos, um fiduciário licenciado pode ser uma boa alternativa para monitorar contas, disse Carolyn Rosenblatt , uma advogada experiente e autora que aconselha famílias em questões relacionadas com o envelhecimento.
Outro consultor financeiro pede a seus clientes para montar o que ele chama de uma tribo de proteção, ou um grupo de pessoas que estão dispostos a intervir e ajudar, se e quando surgir a necessidade. "A tribo de proteção é importante porque o abuso ao  sênior é muitas vezes cometido por um parente próximo ou de confiança profissional", disse Jean-Luc Bourdon, um contador público certificado que é especializado em planejamento financeiro em Santa Barbara, Califórnia. "A tribo é necessária para ter verificações e contrapesos ".
Muitos advogados na área de planejamento imobiliário e planejadores financeiros pedem aos seus clientes para nomearem uma pessoa que possa entrar em contato se suspeitarem que suas habilidades cognitivas possam estar em declínio. Às vezes uma chamada "carta de diminuição da capacidade", é um documento que  normalmente autoriza o assessor para levantar a questão com uma pessoa de confiança dose clientes.
Bob Rall , um planejador financeiro em Merritt Island, Florida, disse chamou-lhe atenção o fato de uma cliente viúva, com ativos modestos, pedir que ele lhe enviasse 50 mil dólares para que ela pudesse realizar uma festa de aniversário de 80 anos. "Eu imediatamente chamei a filha, que o cliente já havia me dado a autorização para falar com", disse ele. "Depois de uma série de ponderações, decidimos enviar para sua mãe US$15.000. Mesmo assim, ela teve uma festa bem legal."
 
Referência: The New York Times - Seu dinheiro

domingo, 12 de abril de 2015

Ao planejar sua aposentadoria, ter esperança não é uma boa estratégia


Simplesmente manter dinheiro no banco em contas qualificados pode não ser o suficiente.
O ESTABELECIMENTO DE METAS
É difícil chegar ao seu destino, se você não sabe para onde está indo. Definir metas para a aposentadoria, enquanto relativamente simples, é extremamente importante. A melhor maneira de gerenciar o processo de fixação de metas é fazer a si mesmo algumas perguntas básicas. 
Quando eu gostaria de me aposentar? O tempo é o segredo. Enquanto a expectativa média de vida está na casa dos 78 anos, você pode potencialmente viver por décadas depois de se aposentar. Isto significa que a diferença entre se aposentar com 50 anos ou se aposentar aos 70 pode ser enorme, especialmente quando se trata de seguridade social.  
O que vou fazer na aposentadoria? Você pode esperar viver 30 anos ou mais na aposentadoria (espero que você não os passe a ver televisão). Se você optar por continuar a sua educação, viajar pelo mundo, ou simplesmente passar mais tempo com seus netos, você deve tratar suas escolhas de estilo de vida como metas.  
Quanto tenho de dinheiro disponível? Esta é uma questão especialmente importante porque afeta outros aspectos de seu plano de aposentadoria (mais notavelmente sua residência). Você pode gastar todo o seu dinheiro, deixá-lo para seus herdeiros, ou investir em uma nova biblioteca. Tudo o que você escolher fazer, você deve expressar como metas de seu plano de aposentadoria.
PARTES DO PLANO
Um plano de aposentadoria integral tem muitos componentes, incluindo - sem nenhuma ordem - investimentos específicos (tópico a ser tratado na próxima seção), imóveis, seguros, as necessidades de capital, e, claro, os impostos. E cada um desses componentes, enquanto intimamente ligados, têm seus próprios desafios quando se trata de planejamento. 
  Imóveis - Planejamento para a diversificação final dos seus bens é uma peça-chave de seu plano de aposentadoria. A determinação de quem vai receber os ativos é provável que seja o primeiro passo. Em seguida, você precisa decidir como serão distribuídos, seja em dinheiro, um bem ou através de uma relação de confiança. Finalmente, você deve ter a documentação legal adequada em algum local que possa garantir que seus ativos estejam distribuídos de acordo com seus desejos.  
Seguros - Você deve considerar o seguro como uma ferramenta para a proteção de renda e retenção de riqueza. Em seu plano, reveja suas coberturas atuais e faça os ajustes necessários para garantir que eles fiquem alinhados com os objetivos que você estabeleceu para a aposentadoria. A indústria de seguros é muito competitiva, então você buscar conseguir o que deseja por um preço razoável. 
Necessidades de capital - Como você poderá gastar seu dinheiro na aposentadoria é tão importante quanto o quanto você tem hoje. Fazer suposições bem fundamentadas sobre despesas futuras é crucial para o seu sucesso financeiro a longo prazo. Despesas médicas, hospedagem e alimentação, e os gastos de lazer devem ser considerados na formulação de um plano de necessidades de capital. E não se esqueça de contabilizar a inflação e o aumento geral dos preços ao longo do tempo.  
Tributos - Representam um dos maiores obstáculos para o crescimento e preservação da riqueza. Não se admire quando você levantar todos os impostos que você paga (estadual, federal, municipal, vendas, imóveis, etc.). É por isso que você deve incluir em seu plano de aposentadoria uma estratégia para limitar a sua responsabilidade fiscal potencial durante a fase de acumulação de sua vida e posicionar-se com uma taxa de imposto a mais baixa possível durante a aposentadoria.
CONSTRUINDO UM PORTFÓLIO
Como os investidores, você deve procurar entender como os mercados globais funcionam e se sentir tão confortável quanto possível para aceitar que riscos maiores acarretem retornos esperados mais elevados. Mas para suas contas de aposentadoria, seja com a seguridade social, seja com um fundo de previdência privada, você deve considerar um portfólio que possua dotação global com diversificação por classes de ativos. Isso ajudará a volatilidade limite e dar-lhe-á retornos mais previsíveis durante longos períodos, em preparação para a aposentadoria. E lembre-se, ao construir o seu portfólio certifique-se de atribuir a classe de ativos certos para o tipo certo de conta. Por exemplo, em geral, você deve alocar seu capital em ativos que sejam menos sujeitos a contribuições fiscais (sujeito a imposto de renda ordinário), tais como pagamentos de dividendos de ações em ações qualificadas, em lugar de ativos mais onerosos em termos de impostos (sujeito a imposto sobre mais valias), como ações em contas tributáveis (rendimentos sobre ações, ou juros sobre capital próprio),venda de imóveis, e outros.
EXECUÇÃO DO PLANO
Se você optar por contratar os serviços de um planejador financeiro para ajudá-lo na implementação de seu plano de aposentadoria, não se esqueça que ele/ela seja experiente e tenha as credenciais profissionais corretos (os registros competentes). Se você decidir fazê-lo sozinho, escolha um guardião que possa prestar serviços de carteira/clientes a um custo razoável. Além disso, é uma boa ideia contratar um advogado experiente para preparar seus documentos imobiliários e um profissional qualificado para obter ajuda e preparação com o planejamento tributário. Finalmente, para as suas necessidades de seguros, recomendamos um agente independente que represente muitas operadoras diferentes.
ACOMPANHAMENTO CONTÍNUO
O seu plano de aposentadoria é um documento vivo que precisa ser revisto periodicamente e ajustado, quando necessário. Isto irá assegurar que o plano atenda às suas necessidades atuais e está no alvo para ajudá-lo a atingir seus objetivos de longo prazo.
CONCLUSÃO
O lendário investidor, Peter Drucker, disse certa vez: "A menos que um compromisso seja feito, haverá apenas promessas e esperanças; mas não haverão planos". Ele está certo. A esperança não é uma estratégia, e a promessa como fundamento passado não oferece garantia de retornos futuros. Então, criar e implementar um plano realista e estabelecer o compromisso de segui-lo é um bom caminho para a tranquilidade futura.

Referência: Synergistic Trader

sábado, 11 de abril de 2015

Um bom conselho: ouvir mais do que falar


Nos últimos dois anos, eu compartilhei alguns dos melhores conselhos que já recebi de minha mãe e de meu mentor de negócios, Sir Freddie Laker. Este ano, eu resolvi compartilhar uma dica simples a partir de uma outra pessoa que teve um impacto enorme sobre a minha vida - o meu pai.
Quando eu cresci nossa casa era sempre um burburinho de atividades, com a mamãe sonhando com novos esquemas empresariais por todos os lados, e eu e minhas irmãs correndo desordenadamente. Provavelmente eu poderia ser encontrado ajudando Mum com um novo projeto ao mesmo tempo em que me encontraria do lado de fora da casa subindo em uma árvore. No meio de toda a diversão e caos, papai sempre foi, uma influência calmante de apoio para todos nós. Ele não era calmo, mas ele não era um falador frequente como o resto de nós. Ele era um maravilhoso ponto de equilíbrio, e nós sempre soubemos que poderíamos contar com ele, não importa para quê.
Dentro deste apoio discreto papai mostrou-me uma de suas melhores peças e mais simples conselhos: ouvir mais do que falar. Ninguém consegue aprender algo,ouvindo a si mesmo falar. Onde quer que eu vá, eu tento passar o máximo de tempo possível ouvindo as pessoas que eu encontro. Tenho a sorte de viajar muito e me deparar com personagens fascinantes de todas as esferas da vida. Enquanto eu estou sempre feliz em compartilhar minhas experiências com eles, seria tolo se eu não ouvisse o que eles dizem.
É uma das razões pelas quais eu sempre levo um pen drive e um notebook, para não mencionar um iPad, onde anoto a interpretação do que ouço. Você nunca sabe o que você pode aprender simplesmente ouvindo as pessoas ao seu redor. Quer se trate de um atendente em um trem, um engenheiro debaixo de uma nave espacial, de um representante de serviço ao cliente em um computador, estou infinitamente surpreendido por tudo que é novo e por informações úteis que eu possa reunir apenas mantendo meus ouvidos abertos.
Eu às vezes me deparo com pessoas no mundo dos negócios, que especialmente tiverem a sorte de ter algum sucesso e que gostam muito de suas próprias vozes. Depois de oferecerem sua opinião se desligam do que os outros estão dizendo, seja com um aceno superficial ou brincando com seu telefone, ao invés de fazer contato com os olhos e ser realmente envolvente. Por outro lado, os empresários mais bem sucedidos que eu conheço todos têm excelentes habilidades de escuta em comum.
Eu presumo que quem opta por não ouvir deve pensar que já aprendeu tudo o que há para saber. Seguindo o conselho do meu pai, eu gosto de conviver em um círculo que representa tudo o que eu poderia aprender.
O que eu conheço pessoalmente pode ser considerado um ponto tão minúsculo que não poderia ser visto. O que a humanidade aprendeu coletivamente representa uma pequena marca dentro deste conjunto. Tudo o que nós todos temos que aprender no futuro iria ocupar o resto do espaço. É um grande universo, e todos nós estamos aprendendo mais sobre ele todos os dias. Se você não está ouvindo, você está perdendo alguma boa oportunidade.

Referência: Richard Branson - Fundador do Virgin Group - Linkedin 

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Por que sua risada falsa não engana ninguém


Todo mundo já riu só para ser educado, como aquela vez em que seu chefe contou uma piada idiota. Mas, se o seu objetivo for não demonstrar que você não achou a piada engraçada, esqueça o riso falso – a maioria das pessoas pode dizer que ele não é real.
Pesquisadores de comunicação vocal da Universidade da Califórnia em Los Angeles (EUA) queriam saber quão bem as pessoas podiam diferenciar uma risada falsa de uma verdadeira e descobriram que, 70% do tempo, as pessoas reconhecem a diferença.
Segundo o principal autor do estudo, Greg Bryant, isso acontece porque o riso falso é produzido com um conjunto diferente de músculos vocais do que o verdadeiro, e esses músculos são controlados por uma parte diferente do nosso cérebro.
O riso sem emoção parece um discurso
A risada em seres humanos provavelmente evoluiu de vocalizações em nossos ancestrais primatas. Temos uma certeza razoável disso porque podemos observar comportamentos vocais relacionados em muitas espécies primatas hoje, assim como em animais como ratos e cães.
O resultado final é que há características sutis do riso humano que soam como discurso, e evidências recentes sugerem que as pessoas são inconscientemente bastante sensíveis a elas.
“Por exemplo, se você diminuir o ritmo do riso ‘real’ cerca de duas vezes e meia, o resultado é estranhamente animalesco. Soa como um macaco e, ao mesmo tempo em que é difícil de identificar, definitivamente percebemos isso. Mas quando você desacelera o riso ‘falso’, não soa como uma risada animal diminuindo, mas sim como fala humana diminuindo”, explica Bryant.
O riso genuíno é menos deliberado. Como os humanos aprendem a rir antes mesmo de aprenderem a falar, é uma coisa instintiva. O riso real é desencadeado por emoção. A fala é algo mais controlado, bem como o riso sem um verdadeiro gatilho emocional, e é por isso que nós o identificamos com certa facilidade.

domingo, 5 de abril de 2015

Mutantes


"Somos as únicas criaturas na face da terra capazes de mudar nossa biologia pelo que pensamos e sentimos! Nossas células estão constantemente bisbilhotando nossos pensamentos e sendo modificados por eles. Um surto de depressão pode arrasar seu sistema imunológico; apaixonar-se, ao contrário, pode fortificá-lo tremendamente.
A alegria e a realização nos mantém saudáveis e prolongam a vida.
A recordação de uma situação estressante, que não passa de um fio de pensamento, libera o mesmo fluxo de hormônios destrutivos que o estresse.
Suas células estão constantemente processando as experiências e metabolizando-as de acordo com seus pontos de vista pessoais.
Não se pode simplesmente captar dados brutos e carimbá-los com um julgamento.
Você se transforma na interpretação quando a internaliza.
Quem está deprimido por causa da perda de um emprego projeta tristeza por toda parte no corpo – a produção de neurotransmissores por parte do cérebro reduz-se, o nível de hormônios baixa, o ciclo de sono é interrompido, os receptores neuropeptiídicos na superfície externa das células da pele tornam-se distorcidos, as plaquetas sanguíneas ficam mais viscosas e mais propensas a formar grumos e até suas lágrimas contêm traços químicos diferentes das lágrimas de alegria.
Todo este perfil bioquímico será drasticamente alterado quando a pessoa encontra uma nova posição. Isto reforça a grande necessidade de usar nossa consciência para criar os corpos que realmente desejamos.
A ansiedade por causa de um exame acaba passando, assim como a depressão por causa de um emprego perdido.
O processo de envelhecimento, contudo, tem que ser combatido a cada dia.
Shakespeare não estava sendo metafórico quando Próspero disse: “ Nós somos feitos da mesma matéria dos sonhos.”
Você quer saber como esta seu corpo hoje?
Lembre-se do que pensou ontem.
Quer saber como estará seu corpo amanhã?
Olhe seus pensamentos hoje!
Ou você abre seu coração, ou algum cardiologista o fará por você!"

Referência: Deepak Chopra - Médico formado na Índia, com especialização em Endocrinologia nos Estados Unidos.

Meu canal de slides