quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Que tal mudarmos a maneira como vemos o dinheiro?


Quando pensamos em dinheiro, ora achamos que tê-lo é bom, ora achamos que tê-lo nos traz problemas. Também costumamos dizer que o dinheiro não é tudo - dinheiro não traz felicidade.
Mas que tal mudarmos a maneira como vemos ou tratamos o dinheiro? 
Por que só pensamos em ganhá-lo, seja como remuneração do trabalho, rendimento de investimentos, economias? Por que não pensarmos em formas inteligentes de gastá-lo e que nos trarão prazer e novos valores?
Os ensinamentos básicos que os mais experientes nos passam incluem; ganhar dinheiro, guardar dinheiro, poupar dinheiro. Será que precisamos mesmo considerar o dinheiro segundo sua forma de ganhá-lo, mantê-lo, aumentá-lo e controlá-lo? Será isto o mais inteligente, ou será ter o dinheiro administrado de forma cuidadosa para manter uma vida confortável?
A formas de gastar o dinheiro que ganhamos muitas das vezes se apresentam como a parte difícil da administração financeira de qualquer ser humano. Se não for feito de forma cuidadosa e planejada passa a se tornar dolorosa. 
Fala-se muito em cortar as despesas com os cartões de crédito, pagando tudo que consumimos em dinheiro vivo; diminuir os itens de diversão de forma a sobrar mais dinheiro para outras finalidades julgadas mais importantes e outras mais criativas. Via de regra concluímos que ao economizar nos sentimos bem, ao gastar nos sentimos mal.
Mas será este, realmente, o foco que precisamos, ou devemos, dar ao dinheiro que ganhamos o destino que mais nos deixa confortável? 
Como exemplo, vamos considerar uma fábrica, que investe em ferramentas para melhorar sua produção, aumentar sua produtividade. O investimento realizado por um empresário consciente pelo crescimento de seu negócio, é gerado, normalmente, com parte do lucro auferido pelo giro de seus produtos. As ferramentas adquiridas representarão a economia realizada para tornar mais dinâmico e atraente seu negócio. O dinheiro investido representa uma economia feita, e também passa a ser a ferramenta alavancadora dos negócios. Ambas ferramentas, capital reinvestido e ferramentas físicas colaboram decisivamente para o crescimento dos negócios e maiores lucros.
Por que não considerar o dinheiro ganho com nosso esforço, como a ferramenta que precisamos para alavancar nossa vida pessoal e familiar. Precisamos entender como utilizar bem esta ferramenta (dinheiro), em benefício próprio e familiar. A ferramenta dinheiro deve ser considerado da mesma forma que as ferramentas físicas em uma empresa: não foram adquiridas para ficarem em uma prateleira, ou em um canto da empresa, acumulando poeira. As ferramentas físicas foram adquiridas para gerarem riqueza. Por que não adotamos o mesmo conceito com a ferramenta dinheiro, em nossas vidas particulares? Por que não desenvolvemos formas inteligentes de bem usar o dinheiro que recebemos por nosso esforço?
A forma como resolvermos utilizar esta ferramenta em nossa vida representará o melhor uso dela, ou não, de acordo com os objetivos que traçamos para nossas vidas, nossas metas, nossas realizações.
Almejamos uma viagem com a família, a compra de uma nova casa, a compra de um novo automóvel? Usemos o dinheiro de forma parcimoniosa, sem nos sentirmos culpados. Usemos o dinheiro como a ferramenta mágica que nos dá a oportunidade de realizar, com prazer, aquilo que desejamos e que julgamos o melhor.
Mudemos nosso paradigma sobre o uso do dinheiro. Esta é a ferramenta que pode mudar nossas vidas. Basta que procuremos a forma inteligente de usá-la. Usemos esta ferramenta para produzir os valores nos quais acreditamos.
Precisamos entender que a expressão "meio circulante" tão usada pelos economistas para traduzir o dinheiro que circula em uma sociedade, precisa ser entendida em sua plenitude. Precisa ser entendidao como: o dinheiro que gastamos hoje, vai para outras pessoas, mas sem dúvida, em algum momento, retornará para nós. 
Quando usamos o dinheiro hoje, seja o que temos em mãos no momento, ou aquele que economizamos por um período, não estamos simplesmente gastando-o, estamos simplesmente utilizando a melhor ferramenta de que dispomos para gerar nossa satisfação. Existirá algo mais prazeroso?
Mas precisamos estar atentos! Esta mudança de paradigmao não pode nos levar a abandonar o sentido de poupança (economia). Precisamos entendê-la como a forma que precisamos desenvolver para que não venhamos a nos sentir mal toda vez que utilizamos nosso dinheiro para a realização de um desejo, ou para a aquisição de algo que acrescente valor à nossa vida.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Podemos ser vítimas de uma falsa memória?


Quão confiável é a memória humana? A maioria de nós acreditamos que a nossa memória é como uma câmera de vídeo, capturando um registro preciso que pode ser revisto em uma data posterior.
Mas a verdade é que nossas memórias podem nos enganar - e eles costumam fazer isso.
Numerosos estudos científicos mostram que as memórias podem desaparecer, mudar e distorcer ao longo do tempo. Não só nossas memórias reais podem ser involuntariamente alteradas e embelezadas, mas podem criar falsas memórias inteiramente novas, que podem ser incorporadas em nosso banco de memória, encaixadas tão profundamente que nos convencemos de que são reais e que realmente aconteceu.
A falibilidade e da maleabilidade da memória humana está no centro de uma polêmica nacional, nos Estados Unidos, envolvendo Brian Williams, o âncora do jornal "NBC Nightly News". Em 2003, o Sr. Williams estaria aparentemente voando em um helicóptero que foi atingido por um foguete granada. Mas com o tempo a história mudou, até o ponto que o Sr. Williams contar que ele era o único que estava no helicóptero que ficou sob fogo.
Mr. Williams foi tachado de mentiroso, para embelezar seu papel no jornal televisivo, com críticos dizendo que, como um repórter, ele deveria se manter em um nível mais elevado. Depois de se desculpar, ele ficou temporariamente longe do noticiário noturno. Mas especialistas em memória encaram a questão de forma diferente, observando que a história bem documentada, contada de maneira diferente muitas vezes por Mr. Williams, realmente oferece um estudo de caso convincente sobre a forma como as memórias podem mudar e mudar dramaticamente ao longo do tempo.
"Você tem todas essas pessoas dizendo que o cara é um mentiroso e o  condenam por engano deliberado, sem considerar uma hipótese alternativa - que ele desenvolveu uma falsa memória", disse Elizabeth Loftus, uma pesquisadora líder na área da memória e professora de direito e da ciência cognitiva  da Universidade da Califórnia, em Irvine. "Este é um momento de ensinamento, e uma chance de realmente tentar obter informações sobre a natureza maleável de memória."
Existem inúmeros exemplos de pessoas aos olhos do público que se "esquecem de eventos". Hillary Rodham Clinton, certa vez alegou ter estado sob fogo de um atirador na Bósnia, só para depois admitir que ela considerou fatos errados. Mitt Romney disse que se lembrava de uma festa, em Detroit, que teria ocorrido nove meses antes de ele nascer.
"Outras pessoas famosas têm dito coisas que não poderiam ser verdade, e parece que eles só estavam se lembrando de forma errada", disse Christopher Chabris, co-autor de "O Gorila Invisível: Como nossas intuições nos enganam", e professor associado de psicologia na Union College em Schenectady, NY. "Eu acredito que um monte de pessoas não consideram quando as memórias falsas podem acontecer, mesmo quando estamos extremamente confiantes na memória."
Memórias não vivem como simples eventos completos em um ponto no cérebro. Em vez disso, elas existem como fragmentos de informações, armazenadas em diferentes partes da nossa mente. Ao longo do tempo, como as memórias são recuperadas, ou vemos noticiários sobre um evento ou temos conversas com os outros, a história pode mudar à medida que a mente recombina esses bits de informação e os aglutinam equivocadamente como lembranças. Este processo essencialmente cria uma nova versão do evento que, para o contador de histórias, se apresenta como a verdade.
"É como se você estivesse jogando o jogo da mensagem telefônica", disse Dr. Chabris. "Você sussurra uma mensagem e até passar o tempo que ela chegue à última criança, é configurada uma história completamente diferente daquela inicial".
A literatura científica está repleta de estudos fascinantes de pesquisadores que implantaram memórias fabricadas, desde a mais simples até a mais bizarra - seja sendo atacado por um animal perigoso, por exemplo, ou mesmo vivenciando uma possessão demoníaca. Um estudo seminal feito pelo Dr. Loftus implantou falsas memórias como sendo de uma criança assustada perdida em um shopping center. Depois de ler uma descrição sobre ter se perdido, cerca de um em cada quatro participantes do estudo passaram a acreditar na falsa memória como algo que realmente aconteceu com eles.
Outro estudo descobriu que os pesquisadores poderiam influenciar a forma como uma testemunha ocular se lembrava de um acidente de carro, dependendo do tempo do verbo que eles tivessem usado - esmagado, colidiu, bateu, amassou ou foi contactado - para perguntar sobre o acidente. Os participantes que foram convidados a falar sobre a velocidade dos carros quando eles "bateram" pensaram que os carros estavam indo mais rápido do que aqueles que foram convidados a informar sobre a velocidade dos carros quando eles se esbarraram.
Steven J. Frenda, pesquisador de pós-doutorado na New School for Social Research, em Nova York, usou um exercício de escrita para induzir a uma falsa memória sobre o resgate de um gato de uma árvore. Os alunos foram divididos aleatoriamente em diferentes grupos e lhes foi pedido para participar de um exercício de escrita. Um grupo foi solicitado a fazer uma história sobre o salvamento do gato; ao grupo de controle foi dado um tema mundano. Mais tarde, os dois grupos foram questionados se eles já haviam resgatado um gato. Os alunos que já haviam escrito a história sobre o gato foram duas vezes mais propensos a afirmar o evento como uma memória real, do que aqueles no grupo de controle.
"A memória é um processo de reconstrução, e estamos aproveitando múltiplas fontes de informação", disse o Dr. Frenda. "A falsa memória pode surgir quando erroneamente se atribui algumas outras informações como uma memória. Se você teve algo exagerado no passado, ou qual seja outra coisa que você tenha visto ou experimentado, você pode puxar isso para o que você considera ser a verdade ".

Referência: Blog Well - The New York Times - Por  

Meu canal de slides