sexta-feira, 31 de outubro de 2014

3 razões pelas quais confiar importa mais do que nunca em vendas


Truques de vendas podem funcionar algumas vezes, mas os clientes não os tolerarão por muito tempo.
É muito frequente nos depararmos com certo tipo de vendedor que acha que o cliente fica satisfeito quando eles quebram um pouco as regras para conseguirem o resultado que querem. Certa vez alguém recebeu um email que continha na linha de assunto o nome do CEO de empresa e a palavra "importante". Para chamar a atenção, esse tipo de coisa funciona. Mas o conteúdo do e-mail não tinha nada a ver com o CEO, e não era importante. Ao mesmo tempo que isto parece ser inteligente, também se parece desprezível
Você vê esses truques o tempo todo, desde o "RE:" inserido nas linhas de assunto até mentiras evidentes sobre uma nova lista de preço que irão fazê-lo acreditar, outra vez, que é uma ótima oferta. Alguns destes são tão comuns que eles ainda não são considerados enganosos. São apenas parte do jogo. Mas os vendedores ficam mais agressivos com suas ofertas, cláusulas enganosas escondidas em contratos e promessas de funcionalidade que seu produto nunca executará,  e deveriam estar muito preocupados com o impacto que isto terá sobre seu sucesso global. Aqui estão três razões por que a credibilidade tornou-se mais importante do que nunca para vendedores.

1. Quanto menor a interação, mais é importante
Todo mundo que leu "Challenger Sale" sabe que os compradores estão aparecendo muito mais como autodidatas sobre o produto. Isto significa que os ciclos de vendas são mais curtos e existe menor interação com um vendedor antes de um negócio ser fechado. Ao mesmo tempo, montar uma fachada corporativa também é mais fácil do que nunca. Com sites de out-of-the-box e instalação para o mesmo dia para conseguir pagamentos online, qualquer um pode os colocar juntos em um front-end bastante crível para seus negócios. De repente, a curta interação com um ser humano se torna o ponto de validação real apenas para responder à pergunta: "Esta é a pessoa com quem quero fazer negócio? Se um comprador em potencial obtém qualquer sinal de que as coisas não estão caminhando bem, você simplesmente não tem tempo para reconstruir sua credibilidade.

2. Nunca foi tão fácil verificar reclamações
Quando um fornecedor em potencial se gaba de sua lista de clientes, o LinkedIn permite verificar as referências que não foram dadas pelo fornecedor. Quando uma loja de automóvel me diz quanto custa uma peça para substituição, pode ser usado o smartphone para verificar o preço, em outro local, antes de aprovar o trabalho. Não há nada pior para um vendedor do que ser pego fazendo uma declaração cuja veracidade não é verificável e cuja verificação, de fato, hoje pode levar menos de 30 segundos com o Google.
Se as pessoas estão acessando sites enquanto na sala de exposições, ou postando perguntas em fóruns, após a chamada, não há um tempo para que um vendedor seja a única fonte de informações sobre qualquer coisa. Nesse ambiente, elas precisam ter certeza de que seus argumentos e capacidade podem realimentar suas reivindicações.

3. Quando há um problema, você precisará do benefício da dúvida
Em qualquer negócio de escala razoável, ocorrerão solavancos na estrada para fornecimento de produtos e serviços. Se apenas uma em mil transações tem um problema, você ainda pode acabar tendo vários problemas por mês, dependendo de quantos clientes você servir.
Como os clientes reagirão quando surgirem problemas dependerá do relacionamento dele com você. Se eles confiam em você, então eles trabalharão com você para resolver o problema. Por outro lado, se eles já tiveram algumas bandeiras vermelhas, ou se foram feitas promessas que não puderam ser mantidas, eles podem procurar vingança antes da resolução. Os sites estão cheios de contundentes posicionamentos de pessoas que pensam que eles foram roubados de uma forma ou de outra. Você quer que seus clientes venham até você, antes que eles cheguem à mídia social, mas eles só vão fazer isso se eles acreditarem em você.
Credibilidade sempre foi importante para vendedores. O que mudou tanto é que os compradores têm acesso sem precedentes à informação, e eles estão usando isso para verificar se eles estão ouvindo as pessoas de quem estão comprando. Esta mudança deslocou fundamentalmente a forma como vendedores devem ver seus papéis, e que fatores os fará ter sucesso. Aqueles pequenos truques de vendas que costumavam ser inofensivas maneiras de quebrar o gelo, podem ter se tornado a pior coisa que um vendedor pode fazer para construir o sucesso a longo prazo.


Fonte: Inc. 

8 dicas para ser um empreendedor em uma empresa sem fins lucrativos

 
Uma organização sem fins lucrativos não pode ter o objetivo de tornar as pessoas ricas, mas na sua essência ainda continua a ser um negócio.
A organização sem fins lucrativos bem sucedida pode não fazer seus acionistas ricos, mas tem o poder de mudar vidas e construir comunidades. Como o líder de uma organização sem fins lucrativos, talentosos empresários têm a responsabilidade de utilizar a renda necessária para cumprir sua missão, sempre mantendo um foco sobre a finalidade da organização.

Estabeleça e mantenha uma clara missão
Uma declaração de missão pode ser importante para qualquer negócio, mas para uma organização sem fins lucrativos serve como um princípio orientador. A declaração de missão em organizações sem fins lucrativos deve ser poderosa e concisa, demonstrando sua paixão por sua causa. Uma vez que você criou uma declaração de missão que reflete a visão geral de sua organização, encontre maneiras de lembrar constantemente sua equipe, apoiadores,colaboradores e membros da comunidade incluindo-os em todos os impressos e marketing online.

Contrate o melhor pessoal administrativo
Sua equipe administrativa mantém sua organização funcionando, assegurando que as contas serão pagas e coordenando a atividade de angariação de fundos. Contratar funcionários talentosos e confiáveis, com um orçamento limitado pode ser difícil conseguir, mas é importante não economizar, especialmente com o pessoal da contabilidade. Procure por alguém que esteja familiarizado com os aspectos únicos da contabilidade sem fins lucrativos e que possa garantir que sua organização passe na prova que poderá enfrentar, especialmente durante as auditorias de rotina.

Lembre-se da Comunidade
Como uma organização sem fins lucrativos, é essencial o apoio da sua comunidade. Se você está patrocinando eventos, ou vendendo bilhetes para o jantar de levantamento de fundos, ter boas relações com seus vizinhos pode fazer uma grande diferença. Apoie outras organizações na comunidade e desempenhe um papel ativo na sua câmara de comércio local para mostrar que você está orgulhoso de estar fazendo a diferença na comunidade.

Compartilhe resultados
Quando alguém doa para uma organização sem fins lucrativos, vê os resultados do quanto doar é gratificante. Através de seu boletim de notícias e sites de mídia social, compartilhe fotos e vídeos que demonstrem como as doações estão sendo usadas. Uma organização que ajuda em catástrofes, por exemplo, pode fazer upload de fotos dos trabalhadores, ajudando a reconstruir as casas.

Seja transparente
Organizações sem fins lucrativos ocasionalmente se defrontam com perguntas sobre o volume de dinheiro que estão administrando. Para conseguir a confiança da comunidade nos procedimentos da organização, é importante cultivar uma cultura de transparência dentro da sua organização. Auditorias independentes são solicitadas em muitas organizações sem fins lucrativos, mas mesmo se não forem, uma auditoria independente regular encontrar problemas mais cedo, antes que eles se transformam em grandes questões. Algumas organizações escolhem por tornar públicas as receitas e despesas que gerenciam a cada mês para construir a confiança com os que as apoiam.

Gratifique os voluntários
Voluntários são a base de todas as organizações sem fins lucrativos, doando seu tempo para ajudar a cumprir a sua missão.... É essencial mostrar gratidão para os voluntários (incluindo a direção da organização) com benefícios e reconhecimento, como se fossem empregados. O Aquário da Baía de San Francisco é um exemplo disso, oferecendo aos voluntários descontos de lojas de presentes e reconhecendo o seu importante trabalho e acolhendo-os em eventos de reconhecimento voluntário.

Aprenda a dizer não
Organizações sem fins lucrativos muitas vezes operam com recursos e fundos insuficientes para fazer face aos muitos pedidos que recebe. Provavelmente você será apresentado a novas oportunidades e grandes ideias, que soam muito bem, mas a participação significa esticar seus recursos já comprometidos,além do que você pode. Aprenda a recusar educadamente essas opções quando elas são apresentadas para evitar sobrecarga nos funcionários, voluntários e em seu orçamento anual.

Tenha uma paixão
Quando líderes e empregados de uma organização sem fins lucrativos acreditam plenamente na organização, eles demonstram. Um pré-requisito para liderar uma organização é que você seja apaixonado pelo trabalho e esta paixão deve ser mostrada por meio de tudo que faz. Isto pode significar que algumas vezes você tem que lembrar-se da razão para todo este trabalho duro. Se possível, use seu tempo, ocasionalmente, para sair em campo e interagir com as pessoas que sua organização beneficia. Estas oportunidades irão lembrá-lo da verdadeira razão por trás de todo o trabalho duro que você faz.

Líderes em organizações sem fins lucrativos têm a capacidade de fazer uma grande diferença na comunidade. Recordando regularmente você e sua equipe de sua missão e das pessoas que estão se beneficiando com o seu trabalho, você vai não só ser mais bem sucedido, como irá melhorar a sua moral no local de trabalho. Uma organização sem fins lucrativos tem alguns elementos que são semelhantes a um ambiente corporativo, mas perceber a diferença é a chave para o sucesso como um líder sem fins lucrativos.

Fonte: Inc. - Por Drew Hendricks -
Image: Shutterstock

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

6 projetos curiosos financiados pela Fundação Bill&Melinda Gates

 Você já deve saber que a Microsoft é, atualmente, uma parte pequena da vida de Bill Gates, apesar de ter sido ainda menor em tempos recentes. O fundador da companhia dedica muito de seu tempo e, principalmente, dinheiro financiando diversos projetos no mundo todo com os fins mais diversos possíveis. 
Como são muitos projetos (muitos, mesmo), alguns deles parecem altamente curiosos, mas não deixam de ser úteis, propondo ideias diferentes para solucionar os problemas do mundo. Seguem abaixo algumas das propostas mais curiosas bancadas por Gates.

Urina para geração de eletricidade 
A Fundação Bill&Melinda Gates banca as pesquisas que buscam uma maneira de transformar urina em energia. A técnica utiliza o MFC (células de combustíveis de micróbios), que usa micro organismos vivos. A urina passa pelo MFC e é metabolizada, liberando elétrons. Eletrodos captam estes elétrons que, quando conectados a um circuito externo geram corrente elétrica. 
Nos testes, foram recarregadas baterias comerciais como as encontradas nos smartphones. A equipe de bioenergia, liderada pelo pesquisador Ioannis Ieropoulos, no Laboratório de Robótica de Bristol (uma parceria entre a Universidade de Bristol e a Universidade do Oeste da Inglaterra), tem o objetivo de fazer bom uso dos 6,4 trilhões de litros de urina que a humanidade produz anualmente.
Para os testes, os cientistas usaram urina recente, expelida havia menos de uma semana de um indivíduo saudável, com altura e peso medianos. 
Em outros testes, tentaram oferecer restos de comida, insetos mortos e pedaços de grama para os micróbios, mas nenhum gerou tanta corrente elétrica quanto a urina.

Chip anticoncepcional 
Gates já cedeu US$ 4,6 milhões ao desenvolvimento de uma ideia com potencial para mudar os métodos anticoncepcionais femininos. 
Trata-se de um micro chip que pode ser ligado e desligado por controle remoto, com duração de 16 anos no corpo da mulher. O dispositivo mede cerca de 20x20x7 milímetros e pode ser implantado nas nádegas, no abdômen ou na parte de cima do braço. Ao ser colocado sob a pele, o dispositivo despeja cerca de 30 microgramas por dia de levonorgestrel, hormônio utilizado em diversos contraceptivos. O medicamento fica armazenado em uma cápsula dentro do chip. 
A ideia foi desenvolvida inicialmente para enviar medicamentos diretamente nos ossos de pacientes com osteoporose, mas teve sua utilidade ampliada a pedido do cofundador da Microsoft. O microchip começa a ser testado no ano que vem e pode chegar ao mercado em 2018.

“Superbanana” 
Um investimento de US$ 10 milhões foi feito pela fundação Bill&Melinda Gates para melhoria genética da banana, para nutrir melhor regiões pobres. 
O projeto está em desenvolvimento desde 2005, sob a liderança de James Dale, pesquisador da Queensland University of Technology, na Austrália. O intuito é enriquecer a banana com provitamina A, oferecendo-as às populações que dependem de agricultura de subsistência.
A previsão é que as plantações com as novas bananas só sejam uma realidade em Uganda, onde os testes são conduzidos, a partir de 2020. 
Depois de anos com testes em roedores, em 2014 iniciou-se a etapa com humanos. A diferença entre a banana normal e a modificada é gritante, até mesmo visualmente falando. Por dentro, em vez do amarelo clarinho, existe uma coloração alaranjada, resultado da concentração de vitamina A, cuja ausência no organismo é citada como causa para o enfraquecimento do sistema imunológico e cegueira.

Preservativo 
No ano passado, a fundação beneficente criada por Bill Gates e sua esposa, Melinda Gates, começou a investir na revolução dos preservativos. 
Agora a organização premiou a Universidade de Wollongong, na Austrália, com US$ 100 mil para desenvolver um projeto de camisinha segura que não diminua o prazer do sexo. Os pesquisadores envolvidos explicam que, em vez de usar latex, estão usando um novo material chamado “tough hydrogel” (hidrogel resistente), que foi criado para passar a sensação da pele real. 
A expectativa é que os homens se sintam mais à vontade para usar o preservativo, o que também reduziria o risco de gravidez indesejada e doenças sexualmente transmissíveis. 
Robert Gorkin, engenheiro biomédico responsável pelo projeto, diz que a evolução tem a capacidade de “melhorar a vida de muitas pessoas”. 

Vacas com cheiro de humanos 
A fundação cedeu US$ 100 mil a uma empresa da Califórnia, chamada ISCA Technologies, que desenvolve uma espécie de “perfume” com cheiro de humanos para gado. 
Parece estranho, mas a ideia é interessante. A meta é fazer com que insetos vetores de doenças como a malária, dengue e febre amarela piquem os animais em vez dos humanos. Com esta substância, o inseto fica confuso. E o gado também poderia ser tratado com inseticida, o que mataria o vetor de doenças imediatamente. 
A Organização Mundial da Saúde estima que 3,4 bilhões de pessoas vivem sob o risco de contrair malária, e o projeto pode ajudar a manter estas pessoas em segurança. 
Curiosamente, um brasileiro é responsável pela pesquisa. Agenor Mafra-Neto é o fundador da empresa e criou o spray que pode ajudar a salvar vidas.

Outros projetos brasileiros 
Gates também financiou dois projetos legitimamente brasileiros. 
É o caso dos pesquisadores José Guilherme Cecatti e Rodolfo de Carvalho Pacagnella, que receberam R$ 2 milhões da fundação (e mais R$ 2 milhões do CNPq) para investir em estudos de prevenção e intervenção em partos prematuros. No Brasil, as ocorrências correspondem a 12% do total das gestações, segundo a Unicef. 
O auxílio foi resultado de um concurso lançado pela  Fundação que Gates administra e pelo Ministério da Saúde para levantar ideias brasileiras que ajudem a minimizar o problema da prematuridade. 
Os projetos se complementam; o de Cecatti pretende medir as substâncias no sangue da mulher para prever, no 4º mês de gestação, o risco de ter a gravidez interrompida antes da 37ª semana; já o de Pacagnella busca associar tratamentos já existentes na tentativa de evitar o parto prematuro em mulheres que tenham o colo do útero encurtado.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

As consequências de um local de trabalho desleal

A vida não é justa, mas o trabalho deve ser. Veja como você pode estar criando a percepção de injustiça e como isso afeta a todos na empresa.
É o que Art Markman apresenta para reflexão , em artigo publicado no site www.fastcompany.com e aqui apresentado em uma tradução livre.

Quando eu era criança, e as coisas não andavam do meu jeito, eu reclamava, "Isso não é justo." Meu pai olhava para mim e dizia: "A vida não é justa." E nós seguíamos em frente.
E, claro, a vida não é justa. Coisas ruins acontecem com pessoas boas. Projetos começados com a melhor das intenções e desenvolvidos com o esforço total das pessoas ainda assim, podem falhar. E, em algumas organizações, as pessoas nem sempre são recompensadas ​​igualmente para o mesmo nível de trabalho. Por que isso importa?

Um contrato vs. um pacto
Geralmente pensamos em negócios como algo feito por contrato. Eu assino um contrato com a minha entidade patronal que estabelece minhas responsabilidades, e a empresa faz um acordo comigo sobre como eu vou ser compensado por esse esforço.
A coisa funciona da seguinte forma: os contratos são acordos que são projetados para estranhos. Se eu não te conheço muito bem e você não me conhece, então um contrato é importante. Ele estipula exatamente o que você vai fazer por mim e o que eu vou fazer por você, e o sistema legal impõe a letra do contrato.
Mas, as empresas não funcionam se elas andam apenas contratualmente. Uma boa empresa tem a missão de construir um grande produto ou fornecer um serviço de primeira qualidade. Essa empresa tem de ter sucesso hoje e olhar para a frente em direção a um futuro inovador. Não é possível enumerar todas as tarefas que esta empresa deve realizar para alcançar o sucesso.
E assim, as boas empresas realmente não precisam ter contratos com os seus empregados. Elas têm convênios. Um convênio estabelece a visão de futuro da empresa. Os funcionários concordam em dar o seu esforço em conjunto para criar esse futuro, e a empresa se compromete a apoiar os seus funcionários por meio de remuneração, benefícios, treinamento e criação de um ambiente de trabalho justo.
Desta forma, as empresas não se envolvem em acordos com um grupo de estranhos. Em vez disso, elas criam um ambiente de convivência em que todos entendem o papel que desempenham para ajudar a empresa a ter sucesso em sua visão.

E é aí que vem a justiça
A aliança é o que permite que os funcionários se sintam como sendo parte de algo maior que eles mesmos. Eles estão envolvidos em trabalhar em direção a um futuro significativo. Pessoas com esse nível de engajamento colocam o nível de esforço que for necessário para permitir que a visão se torne realidade, independentemente do que a letra de um contrato de trabalho possa dizer.
Mas, quando a organização faz coisas que os funcionários se sentem injustiçados, faz com que as pessoas a questionem por que eles são parte desta comunidade. Se a administração superior é compensada muito mais do que os empregados na linha de trabalho, mesmo em crises econômicas, cria-se um sentimento de injustiça. Quando uma pessoa é promovida, apesar da presença de outras pessoas que parecem mais merecedoras, a empresa cria um sentimento de injustiça. Quando os projetos que as pessoas tenham trabalhado por um longo tempo são cortados sem explicação, a empresa cria um sentimento de injustiça.
Essa sensação de que a situação é injusta leva as pessoas a perguntar se elas são realmente parte de uma comunidade. Elas começam a se perguntar se a organização realmente merece uma aliança. E nestes momentos, as pessoas podem começar a reverter para a letra do contrato que assinaram, em vez de focar no espírito da visão da organização.
Por exemplo, professores e enfermeiros, muitas vezes, se envolvem em uma "ação de trabalho" quando eles estão envolvidos em disputas contratuais. Nessas situações, os funcionários acreditam que estão sendo tratados injustamente. Então, eles só executam as tarefas com as quais estão contratualmente obrigados a executar. Os professores chegam exatamente no horário ao qual está obrigado e saem tão logo seja possível. Eles não se envolvem em atividades extracurriculares ou ficam até mais tarde para ajudar estudantes com dificuldades. A comunidade sofre, porque os professores passam de um tratamento compatível com o local de trabalho dentro da comunidade, para tratar esta mesma comunidade como um agrupamento.
É por isso que é tão importante pensar sobre justiça. Quando a moral de uma organização sofre, é importante que os líderes pensem sobre as coisas que eles podem ter feito, que empurram os trabalhadores deixarem de pensar como membros de uma comunidade para pensarem em si próprios, como estranhos. Nesses momentos, é importante para os líderes segurar um ramo de oliveira e fazer o que puder para receber os funcionários descontentes de volta para a comunidade.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Como dizendo "não" pode ajudá-lo a crescer

Bill Carmody escreveu um interessante artigo na Inc., abordando como a forma de dizer "NÃO" pode ajudar no crescimento de uma pessoa.
O artigo trata do assunto partindo do fato de que muitas oportunidades na vida de uma pessoa podem ser perdidas só com o fato de que elas surgem em abundância e o indivíduo se sente drenado em suas energias e sem foco. Quando as pessoa dizem "sim" para muitas coisas ao mesmo tempo, fatalmente estarão sobrecarregdas por assumir tarefas em excesso. 
Ao invés de se sentir focado e com prazer, a pessoa vai verificar que sua atenção está dividida em várias tarefas menores, menos importantes que a mantém ocupada, mas não são muito produtivas. Multitarefa é a arte de fazer muitas coisas, mal. 
Quem está ocupado demais para pensar, deve dar um passo atrás para ver a realidade. Dizer "não" pode parecer contrário aos objetivos de crescimento. É mais fácil dizer "não" para as coisas que custam dinheiro do que para aquelas que pagam suas contas. 
Dizer "não" para um cliente, ou uma venda, é muito mais difícil do que dizer não para um fornecedor ou um agente de compra. Mas quando o cliente ou a venda não está alinhada com sua missão na empresa ou com sua finalidade, isto é precisamente o momento de dizer "não" para que você possa dizer "sim" a algo mais relevante. 
Dizer "não" não é uma fraqueza. Saber dizer "não" é uma força fundamental na construção de todo negócio. Saber para o quê dizer "não", significa que foram identificados claramente seus objetivos, missão e propósitos. 
Por não perseguir todas as oportunidades, você se dá tempo para ser bem sucedido em poucas coisas importantes que impulsionam seus negócios.

Quando "não" significa "sim"
Foi Alexander Graham Bell quem disse: "quando uma porta se fecha, outra se abre". Mas, muitas vezes, olhamos tanto tempo e tão lamentavelmente para a porta fechada que não vemos aquela que se abriu para nós. 
Para evitar perder tempo lamentando para o quê se diz "não", é conveniente passar mais tempo definindo quais são as prioridades próprias do seu negócio e identificar claramente suas metas. 
O quê não se encaixa deve ser rejeitado, para que seja possível permanecer focado e poder atrair ainda mais o que alimenta o crescimento. 
Conta-se a história de um cliente que era incrivelmente rude e desagradável para com um dos empregados de certa empresa. Este cliente ficou profundamente chocado quando o gerente da empresa o dispensou como cliente. 
O gerente soube dizer "não" para um cliente que representava uma boa porcentagem da receita da empresa. Aquela ação teve duas vantagens importantes que não podiam ter sido previstas naquele momento: (1) encorajou a equipe para dobrar seus esforços para fazer crescer o negócio e (2) evitou atrair clientes igualmente hostis para a empresa. 
Dizer "não" a um cliente hostil significava estar dizendo "sim" a um ambiente de trabalho mais positivo e convidativo para a equipe. Também significava que estava sendo dito "sim" a  futuros clientes, que a equipe queria trabalhar duro para garantir o seu sucesso. 
Um "não" bem posicionado significava várias novas oportunidades para que seja possível dizer "sim". E isso faz toda a diferença. 
Por que se deve estar preparado para dizer "não"? Ao responder a esta pergunta, pode-se definir o meio melhor e mais rápido para o crescimento sustentável. 
Saber o quê a empresa "não é", às vezes é mais importante do que definir o que ela é sobre todas as outras coisas.

Fonte: Inc. 

6 maneiras sobre como seu corpo pode ajudá-lo a ganhar uma negociação


Todas as pequenas coisas que você disser durante uma negociação empresarial podem somar para fazer uma grande declaração. O mesmo é verdadeiro quando você se comunica com sua linguagem corporal. Uma pergunta que você deve fazer constantemente, quando negocia: Estou dizendo o que minha expressão corporal indica? Uma maneira para ter certeza disto é prestar atenção, de forma muito intencional, sobre os tipos de dicas que você dá quando fala. Laura Montini, em artigo publicado na Inc. apresenta algumas técnicas de linguagem corporal que podem ajudá-lo a se apresentar ao longo de uma negociação empresarial, com confiança.

Um aceno de "de acordo" - mas em desacordo
Um aceno de cabeça significa coisas diferentes dependendo se você está de acordo com a outra parte, ou se a conversa está ficando tensa. Quando as negociações estão correndo bem, um aceno de cabeça sinaliza que você está na mesma página. Mas quando a conversa fica ligeiramente ou mesmo muito controversa, um aceno de cabeça difunde a tensão. Use o aceno da cabeça mantendo contato visual para mostrar que você está ouvindo, mas você está ainda confiante na sua própria posição.
Não deixe que suas mãos falem demais
Pesquisas mostram que gesticular com as mãos, enquanto você fala, pode ajudá-lo a pensar mais claramente. Lembre-se de manter seus gestos em consonância com o seu tom de voz. Por exemplo, deve parecer natural quando você aponta o dedo enquanto você está tocando em um ponto determinado da exposição. Mas em muitos casos, apontar o dedo pode demonstrar uma situação conflituosa e condescendente. Ou então, evite apontar o dedo tanto quanto possível, ou use a técnica do Presidente Obama, que traz o seu polegar e o indicador juntos para destacar determinadas palavras demonstrando uma maneira forte, mas não hostil.
Braços abertos é sinal de uma mente aberta
Uma postura aberta transmite que você está calmo. Conscientemente, mantenha os braços e as mãos junto ao corpo, o quê vai impedi-lo de se mexer; já a postura oposta transmite a aparência calma. Outro ponto a ser observado: se os braços e as pernas estão cruzadas - mesmo que esta seja a postura mais confortável - seu interlocutor provavelmente vai interpretá-lo como um sinal de que você está fechado para o que ele está dizendo. Demonstre que a sua mente está aberta observando a distância entre suas mãos.
Contato visual com moderação
Pesquisas recentes sugerem que manter contato visual durante uma negociação tensa pode realmente dificultar o seu caso. Estudos, da Universidade de Harvard e da Universidade de Freiburg, concluíram que oradores persuasivos são menos eficazes quando olham diretamente nos olhos de alguém que não concorda com sua opinião. Os pesquisadores sugerem que este tipo de linguagem corporal está associado à intimidação. Eles recomendam que desvie seu olhar de vez em quando, para olhar qualquer lugar ou um rosto de outras pessoas, mas não os seus olhos.
Imitar ou não?
De um modo geral, imitar ações de outras pessoas pode ajudar a aumentar o relacionamento com um indivíduo. A inclinação para imitar alguém geralmente ocorre inconscientemente e portanto, não parece assustador. Mas intencionalmente, imitar seu interlocutor, pode sair pela culatra, de acordo com Jeff Thompson, um pesquisador de comunicação não verbal. Se você estiver propositadamente imitando outros durante as interações, pode criar uma tensão cognitiva e, assim, contribuir para ressaltar um estresse entre ambos, ele diz.
Partir o pão juntos
Esta não é tanto uma linguagem corporal, mas um movimento estratégico. Oferta de bebidas ou algo para degustar é uma forma eficaz e não verbal para influenciar positivamente o ambiente. Estudos têm mostrado que quanto mais fome alguém tem, é mais fácil que se tornam irritados devido a flutuações nos níveis de serotonina. Então não só seja cortês para fornecer alguns snacks e bebidas frias; isto descontrai o relacionamento.

Fonte: Inc.
 

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Como construir uma cultura de doadores: 4 dicas

Colaboradores eficientes não tem que terminar em último em sua empresa. Mas isso significa que você precisa semear generosidade em sua cultura. 
Em artigo escrito por Laura Montini, para Inc., o professor Adam Grant (foto ao lado), da Wharton B-school explica como. 
Como líder de uma empresa em crescimento, a única coisa mais importante que você pode fazer para garantir o sucesso é investir na construção de uma cultura de doadores, afirma Adam Grant , autor do livro "Dar e Receber: uma abordagem revolucionária para o sucesso". 
Doadores são aquelas pessoas do tipo que saem do seu caminho para ajudar os outros, sem amarras. Isto se contrapõe com os matchers - aqueles que acreditam em olho por olho - e com os gananciosos - pessoas que estão sempre a tentar obter o máximo que podem tirar dos outros. 
Grant, professor de administração na Wharton School, da University of Pennsylvania, falou sobre sua pesquisa sobre esses três perfis de personagens na última conferência anual Inc. 5000, em Phoenix. 
Grant descobriu que as pessoas excessivamente generosas tendem a falhar no curto prazo, mas encontram sucesso no longo prazo. Suas falhas são devidas ao fato de que muitas vezes serem atropelados pelos gananciosos ao redor deles. No entanto, se você, como líder, puder eliminar os gananciosos, você pode abrir o caminho para os seus funcionários, e para o sucesso a longo prazo da sua organização. 
Abaixo estão quatro dicas de Grant para a construção de uma cultura de doadores. 
1. Encontre as pessoas certas durante a viagem
Se você colocar um ganancioso em uma equipe você vai ver rapidamente que a paranoia se espalhará entre seus funcionários, disse Grant. É por isso que é importante evitar que os gananciosos ultrapassem a porta de entrada da sua organização. 
Mas isso não significa que você deve apenas se ocupar em contratar pessoas agradáveis. Identifique um ganancioso, olhando um pouco mais fundo para ele. "Socialização é o seu verniz exterior. Ele é agradável ao interagir com você? Considere que dar e receber são os seus motivos internos. Quais são suas intenções para com as outras pessoas?" 
Por exemplo, os gananciosos não têm problemas para se apresentar com uma face boa, mas se comportam de forma egoísta nas suas costas. 
O que você quer é um doador desagradável - aquele que vai dizer como ele é, sem considerar seus sentimentos e transmitirá que tem as melhores intenções para a sua organização no coração. 
Grant recomenda que ao contratar um candidato, uma das melhores maneiras de descobrir quem é quem. é considerar a opinião de pares e subordinados, obter referências sobre o candidato. Estas são as pessoas que têm maiores probabilidades de oferecer informações sobre o candidato. 
2. Redefina o que seja dar
Dar não deve significar que você ou seus funcionários digam sim a absolutamente tudo o que aparece em seu caminho. É mais importante que nunca ser eficiente para com o seu tempo quando você está sendo generoso com ele. 
Decida quanto você quer dar, de uma tal forma que se alinhe com a sua experiência, Grant aconselhou. Ele chamou atenção para Adam Rifkin, um engenheiro do Vale do Silício, como alguém que faz isso muito bem. Rifkin, a quem a revista Fortune, certa vez nomeou o melhor networker no LinkedIn, queria encontrar uma forma de alto impacto sobre como ele poderia dar. Ele estabeleceu que colocaria em sua enorme rede, de forma altamente gerenciável, três introduções a cada dia. 
Rifkin demonstrou que micro emprestando o seu tempo e os seus conhecimentos, você poderá causar um grande impacto, sem correr o risco de se desgastar. 
3. Mude o seu sistema de recompensa 
Um dos exemplos favoritos de empresa que mudou seu sistema de concessão de recompensa vem da Corning, criadora do Gorilla Glass, que é usado nos principais smartphones. Através de seu programa companheirismo, a Corning oferecia o sonho de todo cientista: um laboratório para toda a vida. 
Mas a Corning colocou uma condição básica para a concessão de tão alta e honrosa distinção. A empresa pedia que cada candidato fosse o principal autor de uma patente que geraria, pelo menos, US$ 100 milhões em receitas. Os candidatos seriam colocados no grupo de concorrentes. Então a Corning perguntou a cada candidato se ele ou ela se disporia a ser um autor de apoio sobre as patentes dos outros. 
"Com isso, a Corning dizia que cada um dos candidatos teria que se comprometer com as duas coisas. Teria que conduzir a sua própria inovação para o sucesso, mas também estaria fazendo algo para que a inovação de outros candidatos pudesse ser melhor", disse Grant. "Esses são os tipos de sistemas de recompensas duplas que precisamos desenvolver." 
4. Construa uma cultura de busca/ajuda 
Setenta e cinco a noventa por cento de uma ajuda começa com um pedido, mas as pessoas ainda hesitam em pedir, de acordo com Grant. Ele disse que uma das melhores maneiras de corrigir isso é levar as pessoas a pedir ajuda usando um método de crowdsourcing, chamado de Anel de Reciprocidade. O Anel de Reciprocidade envolve um grupo de pessoas com diferentes formações e experiências. Todo mundo no grupo é obrigado a pedir algo - e isso significa todos. 
"Quando toda a sala está a fazer pedidos, nada é desconfortável", disse Grant. 
E quando as solicitações de todos são a céu aberto, os indivíduos do grupo podem decidir o quanto eles estão melhor capacitados para lidar com sua base de conhecimentos. E não se enganem. Todo mundo vai se doar, diz Grant.
"Os realmente gananciosos começam a dar porque as contribuições de todos são visíveis e eles temem que se eles não se voluntariarem para ajudar alguém, eles vão ser apanhados." 
O resultado final? Os funcionários vão embarcar na ideia de construir uma cultura de doadores, disse Grant. Isso porque eles vão ver que, se eles dão mais, todos podem obter mais do que eles esperavam.

Original por Laura Montini - para Inc.

Nota: O professor Adam Grant em seu livro "Dar e Receber", explica a melhor estratégia para ser útil sem ser explorado. Explica ainda o por quê de ser um doador - sem compromisso - é a melhor estratégia, quando se trata de ser bem sucedido nos negócios e na vida.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Sobre as frutas

A alimentação tem sido objeto de muitas observações e comentários, pesquisas e estatísticas. Dias atrás recebi uma mensagem que falava sobre a alimentação à base de frutas e dizia o seguinte.

"Aprenda mais uma! Fruta é o mais perfeito alimento, gasta uma quantidade mínima de energia para ser digerida e dá ao seu corpo o máximo em retorno. O único alimento que faz seu cérebro trabalhar é glicose. A fruta é principalmente frutose (que pode ser transformada com facilidade em glicose) e, na maioria das vezes, 90 a 95 por cento de água. Isso significa que ela está limpando e alimentando ao mesmo tempo.
O único problema com as frutas é que a maioria das pessoas não sabe como comê-las de forma a permitir que o corpo use efetivamente seus nutrientes. Deve-se comer frutas sempre com o estômago vazio. Por quê? A razão é que as frutas não são, em princípio, digeridas no estômago: são digeridas no intestino delgado. As frutas passam rapidamente pelo estômago, dali indo para o intestino, onde liberam seus açúcares. Mas se houver carne, batatas ou amidos no estômago, as frutas ficam presas lá e começam a fermentar. Você já comeu alguma fruta de sobremesa, após uma lauta refeição, e passou o resto da noite arrotando aquele desconfortável sabor restante? É porque você não a comeu da maneira adequada.
Deve-se comer frutas sempre com o estômago vazio. A melhor espécie de fruta é a fresca ou o suco feito na hora. Você não deve beber suco de lata ou do recipiente de vidro. Por que não? A maioria das vezes o suco foi aquecido no processo de vedação e sua estrutura tornou-se ácida. Quer fazer a mais valiosa compra que possa? Compre uma centrífuga. Você tem um carro? Venda-o e compre uma centrífuga. Ela levará você muito mais longe. Você pode ingerir o suco extraído na centrífuga como se fosse a fruta, com o estômago vazio. E o suco é digerido tão depressa que você pode comer uma refeição quinze ou vinte minutos mais tarde. Isso não sou só eu quem diz. O Dr. William Castillo, chefe da famosa clínica cardiológica Framington, de Massachusetts, declarou que "fruta é o melhor alimento que podemos comer para nos proteger contra doenças do coração. Disse que as frutas contêm bioflavinóides, que evitam que o sangue se espesse e obstrua as artérias". As frutas também fortalecem os vasos capilares, e vasos capilares fracos quase sempre provocam sangramentos internos e ataques cardíacos. Há pouco tempo, conversei com um corredor de maratona, num dos seminários de saúde que promovo. Ele era bastante cético quanto à natureza, mas concordou em fazer uso correto de frutas em sua dieta. Sabe o que aconteceu? Diminuiu 9,5 minutos de seu tempo de maratona. Cortou seu tempo de recuperação pela metade, e qualificou-se para a maratona de Boston, pela primeira vez em sua vida. Agora, uma coisa final que gostaria que mantivesse em sua mente sobre frutas. Como se deve começar o dia? O que se deve comer no café da manhã? Você acha que é uma boa idéia pular da cama e encher seu sistema com um grande monte de alimentos, que levará o dia inteiro para digerir? Claro que não. O que você quer é alguma coisa que seja fácil de digerir, frutas que o corpo pode usar de imediato, e que ajuda a limpar o corpo. Quando levantar-se, e por tanto tempo durante o dia quanto for confortavelmente possível, coma só frutas frescas e sucos feitos na hora. Mantenha esse esquema até pelo menos o meio- dia, diariamente. Quanto mais tempo ficar só com frutas em seu corpo, maior oportunidade de ele se limpar. Se você começar a se afastar do café e dos outros lixos com que costuma encher seu corpo no começo do dia, sentirá uma nova torrente de vitalidade e energia, tão intensa que você mal acreditará. Tente durante os próximos dez dias e veja por si mesmo."

Site de grande utilidade

Se você deseja fazer cálculos os mais diversos, sejam cálculos financeiros, incluindo variação de índices, aplicação de correção monetária e juros; sejam conversões de unidades que envolvam medidas, peso, volume, temperatura, e outros; também cálculos trabalhistas, tais com rescisão de contrato de trabalho CLT e empregado doméstico, salário anual; ou mesmo, aluguéis, envolvendo cálculo de reajustes e dívidas; ou também dívidas vencidas que englobem boletos bancários, cartão de crédito, cheque especial, outros, basta consultar o site http://www.calculoexato.com.br/adel/default.asp.
Lá será encontrado o que está mencionado acima, e muito mais. Tudo com a maior facilidade para ser usado de imediato. Vale a consulta.

Culinária Portuguesa (não é piada!)

Acredite, as denominações estão corretas. Se você pedir qualquer destes pratos em qualquer restaurante em Portugal, vai ser atendido sem nenhuma risada do garçom.
Há muitos motivos para se visitar Portugal. Mas um deles é, com certeza, a culinária regional. A balança é a maior testemunha de que por lá se come e bebe muito bem. E como os prazeres da mesa merecem ser compartilhados, faço a minha sugestão para um almoço à portuguesa.
Aperitivo
Punheta de Bacalhau (uma delícia!). Enquanto o almoço estiver sendo preparado, nada melhor do que reunir os amigos para uma punheta rápida. É um bacalhauzinho desfiado, temperado com cebola, azeite e vinagre. Simples e dá muito prazer. Fácil de fazer, é uma boa opção para os solitários.
Entrada
Sopa de Grelos ou Sopa Seca que se Agarra às Costas. Por alguma razão, a sopa de grelos é a preferida dos marmanjos. Já os que não se importam de ter algo agarrado às costas preferem a segunda sopa, típica da Beira-Litoral e feita à base de feijão e pão.
Prato principal
Arroz de Pica no Chão. É uma especialidade da região do Entre-Douro e Minho, no extremo-norte do país. É feito à base de frango e toucinho, levando os devidos condimentos. É um prato delicioso, mas um tanto pesado e por isso deve ser apreciado com moderação, em especial por quem gosta de um "rala-e-rola" depois do almoço. Com Pica no Chão a coisa fica mais difícil.
Acompanhamento
Caralhotas ou Cacetes. Uma refeição portuguesa tem sempre pão à mesa. As caralhotas são pequenos pães típicos da região de Almeirim. Já os cacetes são comuns em todo o país. É fácil encontrar um português com o cacete na mão.(eles colocam dois ou três cacetes na tua mesa e tu pagas pelos que
comeres).
Bebida - Vinhos Portugueses:
Os vinhos são classificados por regiões e há para todos os gostos. Como é sempre verão no Brasil, talvez seja bom optar por um vinho com aspecto mais leve e feminino. Pode escolher um Monte das Abertas, um Monte dos Cabaços (Alentejo), um Quinta da Pelada (Dão) ou, talvez, uma Garrafa de Rapadas (Ribatejo). Mas, se insistir em uma bebida mais encorpada e masculina, uma boa opção pode ser o Três Bagos (Douro). Se um ainda mais intenso, um Terras do Demo (Beiras).
Sobremesa
Mamadinhas da Pousadinha de Tentúgal ou Espera-Marido à Transmontana. A confeitaria portuguesa é muito rica e os doces conventuais são mesmo um objeto de culto. O Espera-Marido é um doce simples que se faz com açúcar, ovos e canela em pó. Já a Mamadinha é uma das maiores delícias surgidas nos conventos. (os travesseiros também são uma delícia!).
Digestivo
Licor de Merda. É uma bebida da região de Cantanhede, feita à base de leite, baunilha, cacau, canela e frutas cítricas. Quem experimentou diz que é muito
gostoso. Há quem, por exemplo, goste de comer sapateiras, madalenas e trouxas. E tem também água mineral PENACOVA, a eterna pureza da Serra do Buçaco.

5 dicas rápidas para se tornar mais produtivo

Nós perdemos uma enorme quantidade de informações sobre nós mesmos, esquecendo as lições do passado.
Temos dificuldades em arrumar tudo que vem sendo feito até aqui?
A realidade é que, os proprietários de negócios quando os estão tocando, seja em tempo parcial, ou em tempo integral, acreditam que os podem desenvolver de forma muito rápida, como um foguete... Mas há muita coisa para pensar. Existem um milhão de pedacinhos, e o truque é ver como todos vão se juntar para o seu formar o seu mercado e o que pode ser oferecido.
A seguir são abordadas cinco áreas de foco que são particularmente importantes para os empreendedores online. Não importa se você já conduz seu negócio há 20 anos, ou se você está apenas começando... Estes são os pilares que irão tornar você produtivo e mantê-lo produtivo.
1. Saiba as suas prioridades
Talvez você conheça a regra 80-20. Se não conhece, vamos voltar a ela (se já conhece saiba que é bom lembrá-la de vez em quando). Ela també é conhecida como o Princípio de Pareto: a regra 80-20 diz que 80% dos seus resultados vêm de 20% de sua atividade. E até, muitas vezes, em uma proporção maior; quem sabe na forma 90-10?
Você precisa saber o que move seu negócio para a frente... e o que o faz apenas patinar.
Na maioria das vezes, a criação de conteúdo de alto valor compõe a maior parte do seu valor máximo 20. Bom conteúdo atrai um público mais amplo, constrói o pano de fundo do negócio, torna
seu produto ou serviço um "caso" de sucesso, supera objeções e você se estabelece como uma autoridade em sua atividade.
2. Gerencie sua energia
Você realmente não pode gerenciar o tempo (que só continua marchando junto, não importa o que você faz), mas você pode gerenciar a energia que você tem disponível para se dedicar a suas atividades prioritárias.
Você pode melhorar seus níveis de energia por:
  • Trabalhando em sessões e se concentrado de 30 a 50 minutos, seguidos de intervalos de 10 minutos ou mais para relaxar e refrescar.
  • Dormindo o suficiente.
  • Fazendo exercício em sua vida — até mesmo alguns passeios rápidos por dia vai ajudar muito.
Se você tem algum hábito que sabe estar minando sua energia, seja ficar até tarde no Facebook; trabalhar intensamente em vez de fazer pausas regulares, é conveniente que você ocupe alguns minutos esboçando um plano sobre como você vai começar a se mover em uma direção melhor. Na verdade, melhorar seus hábitos deve ser sua próxima área de trabalho.
3. Melhore os seus hábitos
Ter tudo feito não é realmente uma questão de força de vontade — é uma questão de desenvolver uma coleção de hábitos que ofereça suporte a seus objetivos.
A melhor maneira de melhorar seus hábitos é trabalhá-los um de cada vez e começar pequeno.
Então, se você quiser desenvolver um
hábito diário de escrever  (uma escolha muito boa para um proprietário de negócios on-line), comece por fazer um ritual diário de escrever por apenas 10 minutos. Defina este tempo e não deixe que nada interrompa esses 10 minutos —seles erão apenas para sua escrita.
Uma vez que está desenvolvendo isto de forma consistente, você pode aumentar o tempo. Você pode aumentá-lo para apenas 11 minutos se quiser. E se seu tempo é realmente muito importante, você pode permanecer nos 10 minutos por algum tempo.
Você pode se surpreender com as portas que podem se abrir quando você reserva 10 minutos por dia só para você.
4. Controlar suas distrações
Estar online significa estar sujeito ao ambiente mais perturbador do planeta.
Faça um plano de como você vai lidar com as distrações durante o seu tempo de trabalho. Por exemplo, você pode usar um programa adequado que o ajude a focar no que está escrevendo. Ou você ainda pode usar algo iniba seu acesso à internet por um período
de tempo especificado.
5. Desenvolva uma rede de relacionamento
Uma das coisas mais inteligentes que você pode fazer como um proprietário de negócios on-line é encontrar alguns outros proprietários de negócios que tenham objetivos e valores semelhantes.
É por isso que construir uma eficiente rede de relacionamentos é muito importante. Ela se comportará como um lugar natural para encontrar pessoas afins, encontrar grupos de prestação de contas, joint-ventures ou mesmo apenas trocas de competências. E é bom ter um lugar onde toda este público compreende seus dias difíceis... e suas vitórias.

Não deixe que esta lição seja teoria pura!
Separe agora um momento em sua agenda, para você se dedicar aos primeiros 10 minutos para implementar essas práticas de produtividade. Você pode começar por definir o primeiro hábito fácil que você vai cultivar. Isto torna-se mais fácil do que você acha — você pode desenvolver mais de uma sessão, se lhe apetecer. Mas faça-o diariamente.

Referência: Sonia Simone, CMO and co-founder of Copyblogger Media

Meu canal de slides