terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Como transformar problemas em oportunidades


Às vezes, um obstáculo lhe envia para um caminho melhor.
Há apenas uma pergunta simples a fazer, a fim de transformar um problema em uma oportunidade. E, acredite ou não, está contida dentro em um filme muito esquecido de todas as pessoas, estrelado por John Belushi.
O filme Continental Divide basicamente desapareceu sem deixar vestígios quando ele saiu há cerca de 30 anos atrás, e isso é muito ruim.
É verdade, não tinha muito de um complô. Como o IMDB coloca: "Uma jornalista de Chicago, durão, tem um caso de amor improvável com um pesquisador". E foi difícil ver Belushi como um verdadeiro homem de liderança (como ele deveria estar aqui).
Ainda assim, o filme teve duas coisas a favor ele.
1. Um roteiro inteligente por Lawrence Kasdan (Os Caçadores da Arca Perdida, The Big Chill) e
2. A linha que você deve sempre se perguntar quando você é confrontado com o inesperado.
Blair Brown, o pesquisador acima mencionado, leva Belushi pela vida selvagem e em seu primeiro vislumbre da natureza em toda a sua glória, pergunta a ele, "estou satisfeito ou com medo?"
É exatamente a mesma pergunta que você precisa fazer quando confrontado com o que a maioria das pessoas descreveria como um problema.
Você está satisfeito ou você está com medo?
Agora, vamos ser claros. Alguns problemas são exatamente isso. O computador trava. Você está preso no trânsito. Você desenvolve uma febre alta antes de uma grande apresentação. Esses são os problemas e há muito pouco que você pode fazer para transformá-los em seu benefício.
Mas muitos dos problemas com que nos deparamos deve nos deixar satisfeitos.
Por exemplo, você acreditou que teve em uma grande ideia. Você poderia criar um aplicativo que permitiria que as pessoas procurassem por tipos de restaurantes (italianos, por exemplo), com faixas de preços específicos (por exemplo, em torno de US$ 50 por cabeça) e automaticamente fizessem a reserva e a colocasse nos respectivos e-mail.
No entanto, quando você perguntou a uma amostra representativa de seu público potencial sobre isso, eles lhe disseram que não havia razão para desenvolver o software. Eles estavam satisfeitos com as opções disponíveis no mercado.
Então, por que é algo parecido com isto,pode ser uma boa notícia?
Há três razões.
  • Você aprendeu alguma coisa. Isso não é pouca coisa,pois quanto mais conhecimento você tem, mais ideias você pode ter.
  • Você aprendeu que está diante da concorrência, o mercado está realmente constantemente desenvolvendo versões "melhores" do que já existe e empurrando para fora do mercado, pessoas que têm ideias similares (depois de terem gasto dezenas de milhares de dólares. Ou mais).
  • O conhecimento pode levá-lo a uma outra reação.
Por exemplo, quando você estava falando com os potenciais clientes que eventualmente derrubaram sua ideia, você continuava a ouvir variações sobre o tema.
Uma vez que eles marcaram a reserva, muitos deles pensaram na reserva como um ativo e como todo ativo, se perguntaram se eles poderiam ganhar dinheiro com ela.
"Não seria ótimo se eu pudesse vender a minha reserva para alguém que realmente a queira? O restaurante é "badalado" e as pessoas estão meses à espera para entrar nele e tem de haver um mercado para as pessoas que querem pular fora".
E da mesma forma, as pessoas lhe disseram, "você sabe, eu iria pagar para entrar no meu lugar favorito no último minuto".
De repente, você está testando a ideia de jogar o restaurante em um jogo de interesses.
O ponto é que você poderia desistir, quando confrontado com um problema. Ou você poderia se perguntar: o que posso fazer com isto, a fim de transformá-lo em um ativo.
E isso, para o Sr. Belushi, é como transformar um problema em uma oportunidade.

Fonte: Inc.com 

10 dicas essenciais para uma colaboração bem sucedida (e rentável)


Construir parcerias fortes com os funcionários, fornecedores e clientes é fundamental para o seu sucesso a longo prazo.
IMAGE: Getty Images
Nos negócios, nós colaboramos com os outros o tempo todo. Se trabalhamos com os membros da nossa equipe, ou fechamos um negócio importante com um cliente ou fornecedor, ou desenvolvemos um novo produto ou serviço com um parceiro de negócios, a construção de habilidades de colaboração eficazes e estratégias é a chave para o sucesso nos negócios.
De acordo com Felix Barber e Michael Goold, consultores empresariais e autores do livro, Collaboration Strategy, "A maior preocupação para a maioria dos empresários e CEOs, o que os mantém acordados à noite, muitas vezes não é a sua estratégia - como criar uma oferta atraente para um cliente ou como enganar a concorrência - é como conduzir as pessoas a fazer essa estratégia realmente acontecer".
Levar as pessoas a fazer algo acontecer no mundo dos negócios é a prinicipal parte do que seja liderar e ser um gerente completo. Há, no entanto, formas eficazes de realizar este objetivo, e outras formas não tão eficazes. Em seu livro, Barber e Goold apresentam as 10 dicas abaixo para levar a um ambiente de colaboração bem-sucedido - e rentável.
1. Crie valor
Qualquer colaboração bem-sucedida cria valor, tanto para os seus parceiros, como para você. Tenha certeza de que você sabe exatamente o valor que você está oferecendo, e que você fornece o máximo que puder dentro dos recursos disponíveis.
2. Resultados em vantagem competitiva para você
A colaboração de sucesso - seja com funcionários, fornecedores, clientes ou outros parceiros de negócios - vai tornar a sua empresa mais forte e competitiva no mercado. Este é um momento em que 1 + 1 = 3.
3. Tome conta de suas habilidades
Quando você colaborar com outras pessoas, você tem que saber o que você traz para a mesa - a perícia, a experiência e as habilidades que podem faltar ao seu parceiro. Ao mesmo tempo, conheça os pontos fracos dele. Estas serão as coisas que você deve procurar em um bom parceiro.
4. Seus parceiros devem ser capazes (e auto-motivados)
Assim como você deve ser experiente e qualificado, assim também devem ser seus parceiros: experientes e qualificados. Eles devem estar animados com a parceria para um benefício mútuo.
5. Os seus parceiros não devem ter nenhum conflito de interesse
Fechar colaborações exige que os conflitos de interesses com outras pessoas ou empresas não se misturem no relacionamento e confiança que você está construindo um com o outro. Faça antes as devidas diligências para evitar o tipo de conflitos de interesses que podem arruinar uma colaboração que pode vir a ser bem-sucedida.
6. Seus parceiros não tem e não devem ganhar muito poder de barganha
Idealmente, as partes em uma colaboração terão poder de negociação mais ou menos igual, ou seja, nenhum lado deve forçar o outro a aceitar os termos e condições que não são favoráveis. É difícil construir, uma colaboração de longo prazo estável quando um lado tem um  poder de barganha desigual.
7. Estabeleça metas e restrições para medir o desempenho
Cada uma das partes da equipe de colaboração precisa ser capaz de definir metas para a parceria, e, em seguida, medir o seu progresso - e o progresso de seu parceiro - para conhecê-los melhor. Se não vão houver restrições na colaboração, elas precisam ser definidos com antecedência.
8. Recompensas se alinham com desempenho
O sucesso das equipes de colaboradores incentivam o desempenho de formas que recompensam as partes para alcançar as metas específicas. Isto é verdade se você está em uma equipe de colaboradores com os funcionários, fornecedores, clientes ou outros parceiros de negócios.
9. Especifique condições favoráveis
Para garantir o sucesso da sua equipe de colaboradores, esteja preparado para oferecer condições favoráveis ​​para a outra parte - e esperar (e exigir) o mesmo em troca.
10. Atenda aos requisitos do ponto de vista dos parceiros, bem como o seu próprio
A maior parte das nove dicas anteriores para a colaboração deve fazer com que elas trabalhem para você, melhor. No entanto, na melhor dos cenários, você vai conhecer todas as nove - tanto na sua perspectiva, como na de seus parceiros.

Fonte: Inc.com 

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

A ciência e o processo de envelhecimento


Por milhares de anos, as pessoas têm procurado escapar ou fugir de sua mortalidade com poções, pílulas e elixires, muitas vezes misturados com doses pesadas de esperança e de vontade.
Na "Epopéia de Gilgamesh", um rei da Mesopotâmia procurou o segredo da imortalidade após a morte de seu melhor amigo. Pelo menos três imperadores chineses na Dinastia Tang morreram após consumir misturas contendo chumbo e mercúrio que eles esperavam torná-los imortais. No final do século 19, um fisiologista francoamericano parecia ter encontrado o elixir da vida, injetando nos idosos extratos de testículos de animais.
Apesar de essa busca permanente, a maioria dos cientistas dizem que não estamos mais perto da vida eterna hoje, do que estivemos em todos aqueles anos atrás. A palavra "imortalidade" provoca uma mistura de riso e sinceras explicações sobre a diferença entre ciência e ficção científica.
Conversas sobre a longevidade, no entanto, são uma história completamente diferente. Os pesquisadores estão otimistas sobre os recentes esforços para retardar os efeitos do envelhecimento e, talvez, consigam estender a expectativa de vida.
Mas, ao mesmo tempo, a comunidade científica está desconfiada da rapidez como esses achados são embalados e revendidos por empresas que prometem uma fonte da juventude. "Provavelmente é pior hoje do que jamais foi", disse Dr. S. Jay Olshansky, professor na Escola de Saúde Pública da Universidade de Illinois, em Chicago, e um pesquisador associado do Centro sobre Envelhecimento na Universidade de Chicago. "Assim que os cientistas publicarem qualquer vislumbre de esperança, os vendedores ambulantes saltam à frente e começam a vender."
Compreender o processo de envelhecimento junto com o desenvolvimento de tratamentos que possam retardar a velocidade com que as pessoas envelhecem poderia ajudar os médicos a manter os pacientes saudáveis ​​por mais tempo. Nós não seremos capazes de parar ou reverter o envelhecimento, mas os pesquisadores estão interessados ​​em retardar o seu progresso, de tal forma que um ano do calendário pode não corresponder a um ano de tempo biológico para o corpo. Isso poderia retardar o aparecimento de doenças como câncer, acidentes vasculares cerebrais, doenças cardiovasculares e demência, que se tornam mais prevalentes à medida que as pessoas envelhecem.
"Ao direcionar processos fundamentais do envelhecimento, poderia ser possível adiar as principais doenças crônicas relacionadas com a idade, em vez de pegá-los um de cada vez", disse o Dr. James Kirkland, professor de pesquisa do envelhecimento e chefe do Robert e Arlene Kogod Centro sobre Envelhecimento na Clínica Mayo. "Por exemplo, nós não queremos enfrentar a situação em que, dizem ser possível curar o câncer e, em seguida, as pessoas morrerem, seis meses depois da doença de Alzheimer ou de um acidente vascular cerebral. Seria melhor atrasar todas essas coisas juntas."
Este é o ponto para onde o campo conhecido como a biologia do envelhecimento está se movendo, ou seja, para desenvolver drogas que vão aumentar a expectativa de vida e o que os pesquisadores chamam de extensão de saúde, o período da vida em que as pessoas são capazes de viver de forma independente e livres de doença.
Dr. Kirkland disse que pelo menos seis drogas haviam sido indicadas em revistas e jornais, e que ele sabia de cerca de 20 outras que pareciam afetar a vida útil ou a extensão de saúde em camundongos. O objetivo é verificar se esses benefícios podem ser traduzidos em seres humanos para aumentar a sua longevidade", para encontrar intervenções que possamos utilizar em pessoas e que possam, por exemplo, fazer uma pessoa que tenha 90 anos se sentir como se tivesse 60 ou uma pessoa que tem 70 anos tenha a sensação dos seus 40 ou 50. "
Outros pesquisadores estão estudando pessoas centenárias, buscando entender se certos genes as tenham levado a passar dos 100 anos de idade e os manteve com boa saúde.
"Todo mundo conhece alguém que tem 60 anos e que parece ter 50, ou alguém de 60 anos que parece ter 70", disse o Dr. Nir Barzilai, diretor do Institute for Aging Research no Albert Einstein College of Medicine, que está atualmente estudando pessoas centenárias e seus filhos. "Intuitivamente, nós entendemos que envelhecemos a taxas diferentes, então a questão é, realmente,"Qual é a diferença biológica ou genética entre os que envelhecem rapidamente e aqueles que envelhecem lentamente?" Drogas que imitam o efeito destes genes podem ser benéficas para o resto da população que não os carrega consigo.
O Dr. Barzilai disse que, como um cientista, seu objetivo não era ajudar as pessoas a viver mais, mas viver mais saudável, embora ele tenha ocasionalmente recebido e-mails de pessoas interessadas em como o seu trabalho poderia beneficiar sua busca para viver para sempre. Ele não responde - ele diz que não tem nada para lhes oferecer.
A indústria mundial de antienvelhecimento valia US$195 bilhões em 2013 e foi projetada para crescer para US$275 bilhões em 2020, segundo a empresa de pesquisa de mercado Global Industry Analysts. Os produtos incluem cremes de beleza, botox, suplementos alimentares e medicamentos de prescrição, mas nem todos buscam reverter o envelhecimento mas apenas minimizar seus efeitos visíveis.
O Dr. Olshansky aponta para suplementos de resveratrol e hormônios de crescimento humano como produtos que são comercializados como tendo benefícios antienvelhecimento, logo após estudos científicos iniciais sugerirem resultados promissores. Mas o resveratrol, muitas vezes feito a partir da casca das uvas vermelhas, ainda está sendo estudado e produtos comercialmente disponíveis são prematuros, disse ele. Os hormônios do crescimento são um risco mais grave, disse ele, porque eles realmente podem ser perigosas para quem os toma.
O Dr. Barzilai observou que muitos dos centenários estudados por ele apresentaram níveis ou atividade de hormônios de crescimento naturalmente mais baixos.
"Nós pensamos que é importante para a sua sobrevivência", disse ele.
Outros suplementos alimentares prometem ajudar os consumidores a reverter o relógio do envelhecimento. Esses produtos não estão obrigados a provar a sua eficácia ou a segurança de acordo com a Food and Drug Administration, antes da venda, embora a FDA possa tomar medidas contra os produtos que têm rótulos enganosos ou que pretendam tratar doenças.
Depois de ser abordado para vender uma linha de suplementos, Melanie Young, uma técnica de saúde que aconselha os clientes sobre peso e gestão do stress, decidiu tentar uma série de produtos que prometem proteger seu corpo contra os "danos do envelhecimento." Ela recentemente sobreviveu a um câncer de mama e deixou para trás uma carreira de relações públicas e gestão de eventos. "Um monte de consultores de saúde complementam sua renda com a venda de suplementos", disse ela.
Ela pensava que a empresa, que ela não quis citar, tivesse "toda a base científica correta". Mas a meia dúzia de pílulas que ela tomava todas as manhãs e à noite não melhoraram sua energia como prometida; pelo contrário, deixou-a se sentindo tonta. Ela rapidamente parou de tomá-los e disse a seus clientes para praticarem uma dieta alimentar equilibrada para obter a nutrição de que eles precisavam.
"As pessoas estão conscientes do processo de envelhecimento, e eles querem interferir," disse o Dr. Barzilai, mas ele disse que achava que era um erro recorrer a remédios pela Internet. "Alguns remédios estão causando danos. Sobre outros remédios, as pessoas deveriam se preocupar mais, e alguns podem ser até ser bons, mas nós não sabemos isso."
Uma mensagem Dr. Olshansky ecoa - em vez de gastar dinheiro em "correções" do envelhecimento , ele sugere que as pessoas aceitem as prescrições brandas dos médicos que têm sido oferecidas por décadas: uma dieta saudável e exercício físico. "Você não precisa gastar dinheiro", disse ele. "Talvez um bom par de sapatos de corrida ou caminhada iria funcionar. O exercício é praticamente a única coisa que é equivalente à fonte de juventude que existe hoje, e é gratuita para todos."

Referência: The New York Times - Por Tracey Samuelson. Imagem James Yang

domingo, 7 de dezembro de 2014

3 razões pelas quais cada startup deve considerar uma equipe interna para Relações Públicas


Quando você estiver iniciando um negócio, a contratação de uma equipe de relações públicas pode parecer um gasto excessivo. Mas, às vezes, é necessário.
Para muitas empresas Fortune 500, Relações Públicas é considerada uma parte crítica do negócio.
Quer se trate de comunicações proativas ou reativas, uma boa equipe de Relações Públicas é capaz de proteger a marca e ajudar o desenvolvimento de uma história que articula claramente o valor e os benefícios do negócio e produtos.
Em muitos casos, as equipes de Relações Públicas podem ser grandes usando ambos os recursos de agências internas e externas. Mas se você é uma startup, qual é a melhor abordagem?
Enquanto as grandes empresas precisam de Relações Públicas para proteger a marca, startups precisam de Relações Públicas para ajudar a criá-la, em primeiro lugar. Estamos vivendo em um mundo onde tudo que você cria é parte de sua propriedade intelectual. Isso inclui marca, produtos, mas também a história de sua empresa e como você a apresenta aos clientes.
Para proteger a história, a recomendação para startups é admitir uma pessoa para Relações Públicas, o mais cedo possível e construir uma equipe in-house em torno dela.
Muitas vezes esta percepção passa a ser a realidade para os consumidores, empregados em perspectiva, e para os investidores atuais e em perspectiva. É uma parte fundamental do negócio e é algo em que se deve investir com carinho.
Aqui estão três razões apontadas pelas quais cada startup deve investir em uma equipe de Relações Públicas, internamente, desde o início.

1. Você poderá contar melhor sua história

Quando você construir a sua empresa, você deve pensar sobre o problema que você está resolvendo. Você quer garantir que os produtos e experiências que são entregues estejam resolvendo um ponto de importância real para os clientes. Depois de ter estabelecido a estratégia e solução, você precisa considerar como irá comunicá-la. É aí onde entra o storytelling (contar histórias).
Se um colaborador de Relações Públicas tem um assento na mesa desde o início, a sua história será melhor contada. Você vai responder a perguntas como:
  • Qual é o problema que você está tentando resolver para os clientes?
  • O que você aprendeu ao longo do caminho?
  • Por que a sua solução é melhor do que a dos concorrentes?
  • Como o mundo será diferente por causa do que você desenvolveu?
  • Você está realmente tendo uma abordagem centrada no cliente?
Estas questões não devem ser respondidas de pronto ou no final da linha, quando, na realidade, uma empresa quer criar consistência.

2. Você vai encontrar as necessidades das pessoas

Uma boa pessoa de Relações Públicas deve ser uma pessoa bem treinada em Relações Públicas. Isso significa que ela estará mantendo um olho sobre as tendências do setor, sobre as notícias pertinentes e analisando-as. Startups deveriam abraçar e praticar esse conhecimento tão cedo quanto possível.
Sua equipe de Relações Públicas deve saber:
  • Você está construindo um produto que realmente diferencia sua empresa da concorrência?
  • Onde outros tentaram e falharam?
  • Onde outros tentaram e conseguiram?
  • O que o mercado pensa, acredita, e quer saber agora?
Ao capacitar a equipe de Relações Públicas para ter uma voz na mesa desde o início, ela pode usar a história das comunicações como um guia para o que as pessoas estão esperando e o que elas precisam para serem felizes, um princípio fundamental do planejamento estratégico.

3. A equipe inteira estará na mesma linha de conduta

Mensagens externas não são diferentes de mensagens internas. O que você diz para a imprensa, parceiros e clientes é a mesma coisa que você precisa estar dizendo para seus funcionários.
Quando você começa a criar mensagens para fora da empresa, você também deve pensar em como essas mensagens irão repercutir internamente. Se uma startup pensa sobre isso desde o início, ela pode criar uma cultura em que todos estão focados em contar e apresentar a mesma história.
Se o desenvolvimento de uma visão é apoiado por grandes produtos, ao utilizar as comunicações externas, dentro da empresa, muitas vezes serve como um ponto de reunião e inspiração de referência para os empregados as aceitarem e abraçarem dia após dia. Tendo todos engajados e trabalhando para o mesmo objetivo desde o início faz parte da jornada de recompensa para todos.
 
Referência - Asha Sharma em Fast Company

sábado, 6 de dezembro de 2014

Baterias descartadas de laptops podem ser usadas para iluminar casas


Não é pequena a quantidade de baterias de laptops descartadas anualmente: são cerca de 50 milhões de unidades, que não têm um destino muito claro depois que deixam as casas de seus usuários. Mas os pesquisadores IBM tem uma proposta interessante: usá-las para iluminar residências em países subdesenvolvidos.
De acordo com o resultado do estudo, realizado na Índia, pelo menos 70% das baterias descartadas ainda tem capacidade suficiente para alimentar uma lâmpada de LED durante quatro horas por dia durante um ano inteiro.
A ideia empolga bastante os pesquisadores, já que os custos seriam bem inferiores ao uso de painéis solares com baterias recarregáveis. “O componente mais caro para estes sistemas normalmente é a bateria. Neste caso, a parte mais cara está vindo do lixo”, diz Vikas Chandan, cientista no Smarter Energy Group, que liderou o projeto.
O trabalho foi feito com a RadioStudio, uma empresa de pesquisas em hardware. Eles removeram e testaram individualmente as células internas das baterias descartadas para selecionar as que ainda poderiam ser utilizadas. Elas foram recombinadas, ajustadas e entregues para testes para cinco pessoas que viviam em favelas de Bangalore. Três meses depois, as respostas foram positivas, mas a solicitação mais comum foram cabos resistentes a ratos e lâmpadas mais brilhantes. O plano já está sendo revisado.
A IBM diz não ter planos de transformar a proposta em um negócio, e que a tecnologia deve ser oferecida gratuitamente para os países pobres.
 

Via MIT Technology Review 

Fonte: Olhar Digital

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Vida de aposentado nos EUA


O jornal New York Times de 18 de Novembro de 2014, traz em uma sessão especial, um pouco do que a vida de um aposentado classe média nos EUA e seus planos. O artigo com o título "Encontre um paraíso que te atenda na aposentadoria" mostra coisas interessantes. A abordagem apresentada pode ser de ajuda para brasileiros que pensam em se aposentar e mudar residência para lugares diferentes daqueles onde passaram a maior parte de suas vidas, em busca de "bem-estar", "melhor qualidade de vida", etc. Vale a pena conferir a experiência americana.
Mais de 10 anos atrás, Barbara Zierten e seu marido mudaram-se para uma pequena cidade na cênica Califórnia "o país do ouro", no sopé da Serra Nevada.
"Aqui é bonito", disse Zierten, 73 anos, explicando a atração da região leste de San Francisco. Eles tinham um orçamento apertado e imaginavam que viver em uma pequena cidade seria mais barato.
Mas o tempo passou, e eles decidiram que a área não era o local ideal. Concluíram que a biblioteca estava aberta apenas em tempo parcial. "Eu sou uma leitora", disse ela. "Então, isto é frustrante." Uma experiência ruim com um hospital a levou a procurar tratamento para problemas de saúde em San Francisco, distante duas a três horas de carro.
Talvez o mais desanimador para Ms. Zierten, uma liberal que acompanha de perto a política, era que as opiniões da população tendiam a ser muito mais conservadoras do que ela própria. Particularmente irritante era o fato de que os moradores muitas vezes colocavam grandes críticas a Barack Obama: "O último disse: 'Presidente Ebola.' "



"Eu não fiz uma pesquisa", ela admitiu. O casal agora está planejando se mudar para Sacramento.
Como Ms. Zierten aprendeu, comprar um imóvel para a aposentadoria deve, idealmente, envolver mais do que uma leitura atenta de anúncios imobiliários, deve ser feita uma avaliação das alíquotas de impostos locais e verificar a temperatura média da região em vista. Ao escolher um lugar para morar por duas décadas ou mais, os aposentados também devem considerar se a comunidade reflete seus valores, e se o local pode realmente satisfazer as suas necessidades em termos de cuidados com a saúde, bem como a disponibilidade de atividades sociais e culturais à medida que envelhecem.
Várias pesquisas, incluindo um relatório recente da AARP (uma organização sem fins lucrativos, que trata de a uma mudança social e oferta de valores positivos para pessoas de 50 anos, ou mais, através de informação, sensibilização e serviço), que concluiu que a maioria das pessoas com mais de 50 anos de idade preferem ficar sossegadas à medida que envelhecem. Mas, às vezes, especialmente para aqueles que passaram suas vidas de trabalho nas caras áreas urbanas, a necessidade de viver com uma renda fixa conduz os aposentados a procurarem locais que são mais acessíveis. Outros simplesmente consideram uma mudança de ritmo em suas vidas.
Pensar sobre o que eles querem, e, em seguida, procurar aquelas comunidades que parecem ser uma boa ideia pesquisar, pode ajudar os aposentados a evitar decepções e erros financeiros potencialmente dispendiosos. Jane Bryant Quinn, uma jornalista de finanças pessoais, aconselha. "Se você estiver planejando se mudar, comece uma pesquisa com anos de antecedência", disse ela.
Catherine Frank, diretora do Instituto de Aprendizagem ao Longo da Vida, na Universidade de North Carolina, em Asheville, propõe que os aposentados visitem a comunidade em prospecção e vivam lá como eles esperariam, por algum tempo. Preste atenção em como você vai fazer compras, como você vai circular pela região, como você vai ocupar o seu tempo, diz ela, e seja específico com as suas necessidades. "Se você tem problemas de coração, então você precisa de bom atendimento cardíaco", lembra Ms. Frank. "Você pode viver uma vida saudável lá, indo a pé ou de bicicleta?"
Uma abordagem óbvia é a de fazer uma assinatura do jornal local ou ler on-line. Catherine Moore, de 65 anos, que está se aposentando em Temple, NH, no início do próximo ano, depois de uma carreira em um negócio varejista de equipamentos ao ar livre, foi mais longe do que isso. Antes de escolher o lugar, ela leu a ata de uma reunião da cidade, uma forma única do governo da Nova Inglaterra, para descobrir que tipo de questões a população local estava enfrentando e como a população lidou com os problemas - "para ter uma visão resumida do valor que as pessoas dão a cada situação e como elas se comprometem, concordam ou discordam ", ela escreveu em um e-mail.
As notas da reunião da cidade podem ser encontrados on-line, ela disse, e podem dar dicas sobre como a comunidade é susceptível em considerar amigos e vizinhos que se ajudam mutuamente. "Eu não tenho que concordar com os pontos de vista políticos do meu vizinho, para saber quando ele vai acabar de usar sua motosserra, ou como vou limpar meu carro depois de uma tempestade de gelo", disse ela.
Buck Bragg, 67, um ex-advogado corporativo na área de seguro recorda quando ficou "intoxicado" com a ideia de se mudar depois que se aposentou. Ele e sua esposa, Nancy, uma ex-professora universitária, tinha inicialmente se mudado para o Alasca depois que ele se formou em Direito, mas acabou por mudar-se para viver em Bloomington, Ill., por causa de sua carreira. Eles gostaram de criar seus filhos lá, ele disse, mas agradeceram pela oportunidade de ir para outro lugar. Depois de participar de um seminário sobre planejamento da aposentadoria, em Asheville, Carolina do Norte, ele percebeu que a cidade tinha muito do que eles estavam procurando, incluindo beleza da paisagem, uma baixa taxa de criminalidade e atividades amigáveis para idosos, como os clubes do livro. 
Ele e sua esposa tinham pensado em construir uma casa em um empreendimento que estava sendo desenvolvido na cidade e que oferecia um campo de golfe. Mas depois de se mudar para Asheville, em 2010, eles descobriram que gostavam de fazer coisas diferentes, como ioga. Então eles optaram por alugar uma casa no centro, onde existem restaurantes e uma vida artística vibrante, bem como está próximo de montanhas para caminhadas. Mr. Bragg aconselha alugar uma casa por pelo menos seis meses, inicialmente, para ver se é fácil conhecer as pessoas e conversar com os moradores locais, os quais estão familiarizados com as especificidades do bairro. "Você precisa saber o que eles sabem", disse ele.
O Instituto Milken, uma empresa de pesquisa sem fins lucrativos que estuda o envelhecimento, entre outros assuntos, classifica as comunidades com base em atributos que foram determinados como desejáveis pelos americanos mais velhos. A iniciativa "Melhores Cidades para envelhecimento bem-sucedido" destina-se a estimular as comunidades a se adaptarem ao envelhecimento da população.
A lista, que foi atualizada recentemente, inclui muitas cidades e vilas - como Madison, Wisconsin e Iowa City, Iowa -, que não são necessariamente pensadas como destinos tradicionais de aposentadoria. Seus principais locais oferecem economias fortes com opções de emprego, uma vez que muitas pessoas em idade de se aposentar quer trabalhar, pelo menos, em tempo parcial; oferecem oportunidades de aprendizagem e engajamento cultural; acesso a cuidados de saúde de qualidade; e bom transporte.
O relatório desenvolveu um índice usando 84 critérios, com base nos dados disponíveis publicamente, para classificar mais de 350 comunidades. Ele inclui dados sobre clima e campos de golfe, mas vai mais longe. Por exemplo, classifica fatores de "bem-estar" de cada cidade por número de restaurantes fast-food per capita e taxas de diabetes, bem como o percentual de hospitais que oferecem serviços geriátricos. O ranking "envolvimento da comunidade" reflete o número de bibliotecas e ACMs, bem como o nível de voluntariado sênior.
Cidades universitárias aparecem frequentemente na lista do Instituto Milken, o que apresenta uma surpresa para Marilyn e Richard Frey, que se estabeleceram em Oxford, Mississipi -, pois a sede da Universidade de Mississippi não consta da lista.
Os Frey, de 70 anos, passaram a maior parte de suas vidas, como professores, agora eles estão em uma segunda carreira trabalhando como gestores para a cadeia de hotéis La Quinta. Enquanto trabalhavam em El Paso, eles compraram um terreno para uma casa nas montanhas de New Mexico, mas depois ficaram preocupados com o fato de que o local poderia ser muito remoto à medida que envelheciam. "Começamos a repensar a coisa toda", disse a Sra Frey.
Eles estabeleceram novos critérios: acessibilidade, proximidade do aeroporto para viagens internacionais e acesso às artes e opções de entretenimento. Frey aposentou-se primeiro e se encarregou do esforço de mudança do casal. Ele participou de uma conferência organizada pelo estado de Mississippi, e voltou para casa com uma pilha de pacotes sobre várias comunidades. "Eu os coloquei em três pilhas: sim, não e talvez", lembrou ele.
Frey então alugou um carro e correu todo o estado, visitando 10 localidades promissoras. "Eu dirigi pelos bairros", disse ele. "Eu visitei supermercados."
Uma viagem de primavera para Mississippi com sua esposa levou-os a se concentrar em Oxford: "Lembro-me dos narcisos", disse ela. Eles se mudaram para lá no início de 2002. Eles gostam da realidade de que a praça do centro da localidade tem três livrarias, que recebem autores que visitam a cidade, possibilitando conversa direta com eles. Os Frey participam de produções teatrais e podem ter aulas e participar de eventos esportivos no Ole Miss.
Jerry Swerling, professor de relações públicas na University of Southern California’s Annenberg School, em Los Angeles, está usando uma abordagem um pouco semelhante à dos Frey, com ênfase mais pesada na pesquisa inicial pela Internet. Ele e sua esposa, Karen, figurinista profissional, amam a sua casa e o clima na Califórnia, mas eles querem um lugar na Costa Leste, com um custo de vida mais baixo, quando se aposentarem no próximo ano. Eles pretendem vender a sua casa atual e comprar uma mais barata.
Eles começaram com pesquisas tradicionais, como listas de revistas de "melhores lugares para a aposentadoria", assim como as ideias de amigos. "Se um lugar surge em várias listas, eu vou olhar para ele", disse ele. Seu objetivo: uma animada área urbana com acesso a Amtrak, para que eles possam viajar de trem para visitar Washington, Nova York e Nova Inglaterra. "Precisamos de um lugar com cinema e museus", disse ele.
Idealmente, eles gostariam de um bairro onde pudessem caminhar uma quadra ou duas para uma bebida ou uma refeição. Ele usou o site imobiliário Zillow, que permite aos usuários acompanhar anúncios em bairros específicos; tem uma função de mapeamento que permite que os usuários vejam e saibam o número de restaurantes e cafés nas proximidades. "Para mim, cafés são um símbolo da civilização", disse ele. Ele também verificou um site de mapeamento sobre crime, raidsonline.com , para avaliar a segurança de um bairro.
Uma pegadinha, disse ele, é cuidar da saúde. Muitos rankings sobre aposentadoria medem o número de médicos per capita, mas isso não é útil se os médicos não estão em seu plano de seguro particular. (Planos individuais oferecidos sob o Affordable Care Act, em particular, podem ter redes médicas muito pequenas). Mr. Swerling, 67, é elegível para o Medicare , mas sua esposa ainda não é, então eles esperam encontrar um  plano interino de saúde para ela.
Eles têm estreitado sua lista a um punhado de comunidades na costa do meio Atlântico, incluindo Richmond, Va., pois eles gostam de sua rica história. Eles estão planejando uma viagem de automóvel em dezembro, quando ficarão uma ou duas noites em vários locais.
Um reconhecimento mais profundo é agora uma prioridade para Ms. Zierten, uma aposentada da Califórnia. Ela assinou o Sacramento Magazine, em parte para aprender sobre acontecimentos na cidade, para onde ela e seu marido, John Dahlen, têm a esperança de se mudar. Ela planeja gastar algum tempo em locais que servem café da manhã, fazendo "espionagem" sobre as conversas. "Verificar se todo mundo está falando sobre morte", disse ela, referindo-se a um termo que os conservadores usam para argumentar contra o Affordable Care Act. Se assim ocorrer ela provavelmente irá procurar outro lugar. Ela não se importa com pontos de vista opostos, disse ela. Mas, "Você quer encontrar um nível de conforto."
Uma maneira rápida de obter uma sensação geral para a política de uma área vem através do American Communities Project , da American University’s School of Public Affairsa. O projeto criou um mapa on-line que classifica todos os municípios dos Estados Unidos em 15 categorias, com base nos resultados das eleições passadas e outros fatores. Você pode passar o cursor sobre o município para onde você está pensando se mudar, para ver se você pode encontrar moradores com a mesma opinião.
As categorias incluem, por exemplo, "Subúrbios urbanos", ricas áreas, em sua maioria brancas perto de grandes cidades que votaram fortemente para o presidente Obama em 2012. "Evangelical Hubs" são em grande parte branca, com rendimentos mais baixos; estas áreas são bastante conservadoras e votaram esmagadoramente para o candidato republicano, Mitt Romney.
Antoine Yoshinaka, um professor assistente do governo na American University, disse que, se você realmente quiser ser mais específico, você poderá encontrar informações sobre os padrões de votação em nível de delegacia, entrando em contato com a divisão de eleições do secretário de Estado para o seu estado.
Mas ele advertiu que a abordagem não garantirá que seu vizinho irá partilhar os seus pontos de vista: "Não há uma medida perfeita."

Referência: The New York Times -

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

15 dicas comprovadas para ser feliz no trabalho


Quer ser mais feliz no trabalho? Tente tirar um tempo para estas técnicas comprovadas.
Notícias de última hora. Em 2013, os empregados infelizes estavam em desvantagem com relação aos felizes na proporção de 2 para 1 em todo o mundo, de acordo com a Gallup . Com base em estudos que tiveram lugar em 142 países e abrangia aproximadamente 180 milhões de trabalhadores, só "13 por cento dos trabalhadores em todo o mundo estão felizes envolvidos com o trabalho."
Claro, você provavelmente não precisa de estatísticas para saber disso. Ser infeliz no trabalho acaba de se tornar um modo de vida. Ou, não é?
Todos tentamos ser mais felizes a cada dia. Com 2014 chegando ao fim, é hora de virar essa nova folha e começar a realmente ser feliz no trabalho. Mas como será possível realizar uma tarefa tão aparentemente sem esperança?
Experimente estas 15 táticas comprovadas que podem fazer qualquer pessoa feliz no local de trabalho.

1. Tenha senso de significado

Em 1983, Steve Jobs convenceu o futuro CEO da Apple, John Sculley, a deixar seu emprego na PepsiCo, fazendo-lhe uma pergunta: "Você quer passar o resto de sua vida vendendo água com açúcar ou você quer uma chance de mudar o mundo?"
Por que isso foi tão eficaz? Além provocar sua curiosidade e imaginação, deu a Sculley a chance de fazer um trabalho significativo. Isto tem sido apoiada por pesquisa do professor de administração da Wharton, Adam Grant, que concluiu que "os funcionários que sabem como o seu trabalho tem um impacto significativo e positivo sobre os outros, não são apenas mais felizes do que aqueles que não o fazem, pois eles são muito mais produtivos, também." A pesquisa adicional da professora de Harvard Teresa Amabile descobriu que não importa o tamanho de um objetivo - se a cura do câncer ou ajudar um colega - pois com um senso de significado o objetivo pode contribuir para a felicidade no trabalho.

2. Crie um 'Escritório Personalizado'

Jennifer Star, um dos sócios fundadores da Equipe Balance, em notas sobre o Monster, observa que uma vez que a pessoa passa tanto tempo no trabalho, se ela quiser melhorar a sua felicidade lá, deve "criar o seu espaço à sua maneira, decorar a sua área, tanto quanto a política da empresa admite, e sentir-se mais confortável e relaxado como estar em seu próprio escritório. "

3. Encontre um melhor amigo de trabalho

Pesquisa da empresa da startup de hospedagem gratuita Hostt descobriu "que ter um melhor amigo no trabalho pode transformar um trabalhador moderadamente engajado em um trabalhador altamente engajado." Quando da contratação de pessoas, é interessante tentar e realmente prestar atenção aos encaminhamentos dos trabalhadores. Quando os trabalhadores estão envolvidos em amizades eles contribuem mais para o objetivo final.
Christine Riordan afirma na Harvard Business Review que os funcionários que "têm amigos no trabalho percebem seu trabalho como mais divertido, agradável, que vale a pena, e é satisfatório." Além disso, ter amigos no trabalho pode criar um sistema de apoio, companheirismo e senso de lealdade.

4. Sorria

Algo tão simples como sorrir pode melhorar a sua felicidade no trabalho porque ele diz ao cérebro para ser mais feliz - graças à liberação de neuropeptídeos . Sorrir também é contagioso e fará com que os colegas de trabalho sorriam também.

5. Deixe problemas pessoais em casa

Julie Morgenstern , autor de Time Management From the Inside Out, informa a CBS News que "quando sua vida pessoal está em tumulto, um monte de sequestro emocional continua. Emoções consumem você e o estresse esgota você." Quando acontece que a pessoa tem uma enorme quantidade de estresse, vai parecer que seu trabalho nunca acaba, a pessoa vai olhar para o relógio, e vai se distrair em lugar de ser mais produtivo.
Embora seja fácil para a vida pessoal de alguém transitar em sua vida profissional, é bom certificar-se de resolver as questões pessoais antes de sair para a jornada de trabalho.

6. Seja orientado para o futuro

De acordo com especialistas, como Geoffrey James , "você vai tomar melhores decisões e estar mais satisfeito com seus resultados, se você souber que a maioria do que está fazendo em seu trabalho neste momento ainda se encaixa em seus planos e metas de longo prazo. Isso é possível apenas se você quiser manter os planos e objetivos na linha da frente. "

7. Diga 'obrigado'

Com base em experiências da Professora Francesca Gino, da Harvard Business School, e do Professor Adam Grant da Escola Wharton, "receber expressões de gratidão nos faz sentir um senso de autoestima, e que por sua vez aciona outros gatilhos de comportamentos que ajudam, tanto em relação à pessoa que está ajudando como às outras pessoas que estão ao nosso redor, também."
Na verdade, seus experimentos descobriram que 66% dos estudantes ajudaram a um colega chamado  "Eric", porque ele agradeceu com antecedência por reverem a sua carta de apresentação.
Em vez de apenas dizer "obrigado" a seus pares - e até  a recepcionistas e ao pessoal da manutenção - podemos ser proativos e pedir feedback para receber um pouco de gratidão muito merecida. Definitivamente não pergunte novamente se uma pessoa a quem você já perguntou, se sentir que esta pessoa está determinada a fazê-lo se sentir desvalorizado, ou se ela está continuamente condenando você ou sua equipe.

8. Tome um fôlego

É incrivelmente fácil de se "esquentar" durante a jornada de trabalho. É por isso que precisamos parar um minuto e respirar antes de passar para a sua próxima tarefa. Sharon Salzberg , autor de Real Happiness at Work, comentou na Business Insider que "sem algum espaço para respirar em face de constantes demandas, não vamos ser criativos, competentes, ou alegres." Ela também acrescenta que, por não fazer uma pausa, "não vamos conviver com outras pessoas, bem como não vamos aceitar críticas sem a possibilidade de implosão. Parar um pouco é uma obrigação para controlar o nível do nosso estresse diário."
O especialista em marketing Liv Longley afirma que os funcionários também precisam de ter tempo livre para recarregar as baterias do estresse do trabalho. Na verdade, ter um período de férias não só alivia o estresse, como nos recarrega, ele também pode melhorar a nossa saúde em geral e nos tornar mais produtivos no trabalho.

9. Coma saudavelmente e manteha-se hidratado

De acordo com Shirly Weiss, um especialista e diplomado em saúde holística, conselheiro nutricional e consultora especializada para a Balance Team, "a manutenção de uma boa dieta e manter-se adequadamente hidratado durante todo o seu dia de trabalho pode realmente fazer uma grande diferença no seu nível de energia e atitude energia."
Em lugar de se alimentar com o que existe na máquina de venda automática para o almoço, tenha refeições que envolvem iogurte, aspargos, mel, tomate cereja. Comer alimentos que mantêm seu nível de açúcar no sangue dentro de uma faixa normal vai parar com as dores de cabeça e fadiga, bem como ajudá-lo a se concentrar melhor.

10. Organize-se

Chrystal Doucette sugere em Chron.com que ter um ambiente de trabalho organizado vai ajudá-lo a estar melhor preparado e trabalhar de forma mais eficiente. Ele também pode melhorar a sua felicidade uma vez que uma "mesa limpa faz com que o ambiente de trabalho pareça menos agitado e estressante." Em suma, você tem bastante estresse com o trabalho, por isso evite o estresse adicional que a desordem provoca e evite o estresse pela procura por itens perdidos.

11. Diga não à multitarefa

Apesar do mito, praticar multitarefa não é eficaz. Clifford Nass, professor de psicologia na Universidade de Stanford, afirma com relação à multitarefa "Gasta mais tempo do que economiza." Ele também afirma que diminui a concentração e a criatividade.
Em vez de ficar sobrecarregado com o malabarismo que você precisa fazer devido à quantidade de trabalho provocado pela multitarefa, se concentre em uma tarefa de cada vez. Muitos fazem uma lista de verificação simples para alcançar este objetivo.

12. Aceite as pessoas como elas são

Você não pode mudar quem são as pessoas. Em vez de deixar suas personalidades ou ações afetá-lo, dê um passo atrás. Você poderia tentar técnicas de como contar até 10 antes de responder a eles, evitar apontar o dedo, e manter uma atitude profissional. Há muitos livros fantásticos sobre este assunto também.

13. Movimente-se

Quer se trate de encontrar o tempo para dar um passeio fora, subir e descer as escadas em sua parada para recarga de energias, fazer alongamento, ou fazer um exercício de 10 minutos, mover-se ao longo do dia de trabalho tem uma série de efeitos benéficos - mesmo se você já se exercita e tem uma alimentação saudável.
Como Lifehacker aponta, ficar sentado o dia todo, trabalhando em um computador, pode levar a problemas de saúde como o ganho de peso, doença cardíaca, cansaço visual, e síndrome do túnel do carpo.
Em suma, quando você se sentir melhor, você vai estar em um lugar melhor e com melhor humor, também.

14. Recompense-se

Seja saindo para jantar com o seu parceiro, seja a compra de um novo gadget, seja desfrutando de um pedaço de doce, ou dando um tapinha nas costas, (os aplausos político), encontre o tempo para recompensar-te depois de ter concluído um projeto ou ter um dia frutífero.
Você pode até dar um passo adiante e privilegiar a si mesmo para ser feliz. A pesquisa descobriu que os médicos que se prepararam para ser felizes foram capazes de chegar a um diagnóstico duas vezes mais rápido que os seus colegas.

15. Reflita sobre o dia

Por que você está trabalhando tão duro? Você pode responder a essa pergunta com uma reflexão sobre o dia e recordando algo que foi positivo. Quando você registrar esses momentos em seu notebook, smartphone, tablet, etc., você vai ter um lembrete de por que o seu trabalho é importante para você. Você pode se referir a estas declarações de reflexão positiva sempre que você precisar de um impulso.

Referência: Inc. -  John Rampton

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

5 frases comuns que criam dificuldades (e o que dizer em vez disso)


Substituindo expressões comuns no local de trabalho por alternativas mais poderosas você terá sucesso muito mais rápido.
As palavras têm poder. As coisas que você diz reforçam como você pensa, que por sua vez determinam o que você faz ou está disposto a fazer. As cinco expressões comuns apresentadas a seguir geram atitudes e crenças (em si mesmo e outros) que mostram falhas fáceis e o sucesso mais difícil.

1. "Eu estou tendo um dia ruim"

A diferença entre um dia bom e um dia ruim é, literalmente, tudo que está em sua cabeça. Todo dia tem surpresas, algumas agradáveis ​​e outras desagradáveis. O essencial é a forma como você lida com elas. Quando você está em um estado mental de descontração, você lida com as crises e as oportunidades igualmente, com graça e com desenvoltura. Se você está em um estado de não tanta engenhosidade mental, você se afunda diante do mais fácil dos desafios. Caracterizar o problema enfrentado como o "dia", cria uma falha de proporção maior do que a realidade porque 1) absolve-o de gerir as suas emoções, e 2) praticamente garante que o resto do seu dia vai continuar a ser o que disser, em vez de "ruim": "Eu não estou no meu melhor agora, mas eu estou trabalhando para chegar lá."

2. "Se eu tiver sorte, então ..."

Serenidade, é quando os eventos aparentemente aleatórios criam oportunidades incríveis, e eles de fato ocorrem e podem até mesmo proporcionar desastres inesperados. Atribuir à sorte ou ao destino, no entanto, faz com que o seu eventual sucesso se torne mais difícil de alcançar. O que é, é. O que acontece, acontece. Cada resultado tem múltiplas causas do mundo real. Enquanto você pode não ser capaz de perceber todas as causas ou antecipar todos os resultados, não existe vento favorável que esteja borrifando uma poeira de sorte aqui, mas não ali. Acreditar em "sorte" cria fracasso, porque: 1) isso fornece uma maneira fácil de fugir da responsabilidade por seus fracassos, e 2) o encoraja a confiar no sobrenatural, em vez de tomar as medidas necessárias para se tornar mais bem sucedido O que dizer em seu lugar: "O que mais eu posso fazer hoje para alcançar meu objetivo?"

3. "Estou estressado"

O termo estresse é originado da física, onde se define "a força média por unidade de área que algumas das partículas de um corpo exerce sobre uma partícula adjacente." Com demasiado stress, por exemplo, é a razão porque uma ponte entra em colapso. Os seres humanos, no entanto, não são pontes. O que acontece com eles não é como uma força impessoal aplicada a um objeto inanimado. Os seres humanos podem crescer, mudar e se adaptar às novas circunstâncias. Quando você diz: "Estou estressado", você está se identificando como um objeto de poder sobre o qual forças externas estão agindo. Essa atitude cria desamparo e, portanto, o fracasso. Você acaba em um "enfrentamento", em lugar de tomar medidas positivas. O que dizer em vez disso: "Eu estou dando um tempo antes de eu tomar outras medidas".

4. "As prioridades são ..."

A palavra prioridade implica singularidade. Várias prioridades é um oxímoro. Esta não é tergiversação semântica, porque se você tem mais de uma prioridade, você não tem ideia do que fazer primeiro. Em cada momento do tempo, há sempre algo mais importante do que tudo o que você poderia estar fazendo. Essa é a prioridade, e isso é o que você deve fazer - com toda a atenção. Ter mais de uma prioridade cria fracasso, porque você acaba mentalmente em multitarefa. Quando sua atenção está dividida entre múltiplas atividades, você não é tão eficaz como se você estiver focado na ação única que importa mais. O que dizer em vez disso:. "A prioridade imediata é ..."

5. "De quem é a culpa?"

Há alguns comportamentos humanos menos úteis do que apontar o dedo para os outros. O que é passado, é passado. O que é importante não é porque algo aconteceu, mas a forma de alcançar um melhor resultado no futuro. Isso não quer dizer que as pessoas não devem assumir a responsabilidade por suas ações. Assumir a responsabilidade, porém, é exatamente o oposto de apontar o dedo. Apontar o dedo cria uma falha porque 1) o mantém focado no passado, 2) cria ressentimento desnecessário, e 3) torna as pessoas com mais medo de correr riscos que, em vez de dizer: "Aqui está o que temos de fazer diferente da próxima vez ... "

Referência: Inc. 

Meu canal de slides